Colunas

Ultimate Fighting Championship


6O ano era 1996 quando uma fita com lutas chegava a mesa do senador Republicano de Arizona e fã confesso do Boxe; John McCain, começa ai a era de “caça as bruxas” ao UFC que durou cerca de quatro anos, e acabou banindo o evento na maioria dos estados Norte Americanos. E serviu para que o evento ressurgisse e virasse o que é hoje.Recém introduzido aos Estados Unidos por Rorion Gracie e John Milius o UFC era um torneio de Artes Marciais Mistas sem luvas, divisões de peso, limite de tempo, e regras claras, era o conhecido “vale-tudo”. Produzido pela SEG (Semaphore Entertainment Group) o evento estava em ascensão chegando a quase 90 mil assinaturas de pay-per-view em suas primeiras edições. A natureza agressiva do esporte rapidamente chamou atenção das autoridades.

Após tomar conhecimento dos eventos o senador Republicano John McCain lidera uma campanha contra o UFC, o chamando de “briga de galo humana” e envia carta aos governadores dos 50 estados Norte Americanos pedindo que o evento fosse banido imediatamente. No mesmo ano 35 estados promulgam leis que o impediam de realizar qualquer evento, incluindo Nova York, as vésperas da edição UFC 12, causando uma relocação de última hora de todos lutadores e organizadores para o Alabama. A Cruzada de McCain continuou por mais quatro anos, levando a SEG (produtora que antecedeu a Zuffa LLC) a realizar o UFC em estados com leis mais flexíveis e mercados de menos visibilidade: Alabama, Mississippi and Louisiana.

As reivindicações contra as lutas de Artes Marciais Mistas baseadas na saúde e segurança de seus praticantes era equivocada. Primeiramente, a questão cultural foi bastante influenciada pelas autoridades. Em países como Brasil e Japão as Artes Marciais tem longa história de aceitação popular, enquanto nos EUA o esporte principal de combate era o Boxe, cujas regras oficiais (Marques of Queensbury rules) só se permitia socos na cabeça e corpo (cintura a cima).  Enquanto no boxe os golpes são direcionados todos na cabeça, com o único propósito de nocaute no MMA existem inúmeras formas de se atingir esse objetivo. Causando menos danos ao cérebro. Nas palavras do professor de MMA John Rallo:

Afinal de contas o objetivo no boxe a bater na cabeça de seu oponente até ele estar inconsciente. Esse não é o objetivo em nosso esporte (MMA). Existem muitas outras formas de vencer. Desde 1900 já ocorreram 1.000 mortes documentadas no boxe. Enquanto no MMA apenas 1 em 70 anos. E essa aconteceu em um evento amador na Russia, causada por socos na cabeça.” Ironicamente uma dessas mortes no boxe, de Jimmy Garcia ocorrida em 1995 foi testemunhada pelo senador McCain que acompanhava a luta na plateia, desde então ele permanece um fã do esporte.Aos poucos as regras desse novo esporte foram evoluindo, e em 2000 seria realizado o primeiro UFC (28) sancionado pelas regras da comissão de New Jersey State Athletic Control Board. Devida as inúmeras perdas de audiência, e batalhas judiciais a SEG já a beira da falência vende a marca UFC à Zuffa LLC, dos irmãos Fertitta e seu sócio Dana White por $2 milhões, começava ai seu renascimento. Estreitando laços com a Comissão Atlética de Nevada (Nevada State Athletic Commission) a mesma responsável por sancionar as leis do boxe e o retorno ao pay-per-view.