Artigos

Dana White e Donald Trump, “Making America Great Again?”


Começa nessa semana em Cleveland, Ohio (meio-oeste), a convenção nacional do Partido Republicano mais aguardada dos últimos anos, que aclamará Donald Trump como candidato republicano à Casa Branca. Trump, magnata do ramo imobiliário, conhecido caçador de negócios, dono de um império de bilhões de dólares é o símbolo de uma era na economia americana. Mas, o que isto tem haver com este site e com nós fãs das Artes Marciais Mistas? Por mais estranho que pareça Donald Trump e o UFC tem uma longa relação de interesses e isso está ainda mais evidenciado com o convite a Dana White para discursar na convenção Republicana, que marca a  largada para campanha presidencial do partido.

UntitledDurante os quatro dias de convenção, os delegados e espectadores assistirão a discursos e depoimentos de semi-celebridades e atletas que apoiam a campanha, como: Tim Tebow (quarterback do Philadelphia Eagles em 2015) e o chefão do UFC, Dana White. Entre os lutadores de MMA, Trump tem como fieis eleitores Randy Couture, Chris Weidman, Miesha Tate e Tito Ortiz, este último já foi até “demitido” por Trump em seu reality show “O Aprendiz”. É figura garantida em seus comícios – como mostra a imagem acima.

Há poucos dias de sua campanha pelo partido Republicano à Casa Branca, Trump contratou o Diretor de Comunicações do UFC, Steven Cheung, para sua campanha. Com vasta experiência em política, republicano, Steve iniciou sua carreira como Redator de Discursos na Casa Branca no mandato Bush, após sua graduação na Universidade da California passou por campanhas de John McCain e Steve Poizner, respectivamente candidato a presidente e governador da California.  Sua função na atual candidatura de Trump será mante-lo informado a par de todas as noticias que envolvem a campanha e como responde-las.

CMtdWF1WUAIoJYh.pngDonald Trump não teme um bom embate seja verbal ou não, indicado em 2013 ao Hall da Fama das Artes Marciais do estado de Nova Jersey. Há cerca de 20 anos atrás quando o Ultimate era banido na maioria dos estados norte-americanos, Trump abriu as portas de seu resort, o Taj Mahal ao evento. O ano era 1996 quando uma fita com lutas chegava a mesa do senador Republicano de Arizona e fã confesso do Boxe; John McCain, começa ai a era de “caça as bruxas” ao UFC que durou cerca de quatro anos, e acabou banindo o evento na maioria dos estados Norte Americanos. E serviu para que o evento ressurgisse e virasse o que é hoje. Após o evento ser comprado por Dana e os irmãos Fertitta, Trump ajudou novamente abrindo as portas de seus casinos para realização de outras edições.

Trump acredita que a vida seja um jogo, no qual os pontos são ganhos ou perdidos com base em uma regra: o dinheiro. Até agora ninguém pode dizer que ele seja um mal jogador. Em 2008 seu faro para o sucesso o fez investir numa franquia de MMA criada pela marca Affliction, o evento surgiu como rival do UFC e chegou a realizar três edições nos EUA, numa delas com participação de Emilianenko Fedor, fazendo sua estréia em solo norte-americano. O discurso de Dana poderá ser visto ao vivo pelo canal CNN Internacional no dia 19 de Julho. 

Torne-se um colaborador do Pós-Luta, ajude-nos a crescer e tenha seu nome no site. Conheça os benefícios de ser um colaborador. APOIA.SE!