Notícias, UFC

Sem Anderson Silva, o UFC retorna ao Rio


O UFC 212 marca a volta do maior evento de MMA do Mundo ao Brasil, no dia 3 de Junho na Arena Jeunesse, Rio de Janeiro. A última edição do evento na capital fluminense foi há dois anos na edição 193 que consagrou a vitória de Ronda Rousey contra Bethe Correia. O evento atual marca um fato inusitado na história do Ultimate. O brasileiro Anderson Silva, cortado do card, incentivou seus fãs a pedirem dinheiro do ingresso de volta, fato este que causou desconforto entre os executivos do UFC, incluindo o chefão Dana White, que soltou o verbo para repreender o atleta brasileiro. Mesmo com a maior estrela brasileira fora, o evento deverá ter casa cheia. Até o momento (20/05) grande parte dos ingressos foram vendidos, restando apenas poucos lugares nos setores “Octógono Premium” e “Cadeiras”, os mais caros da arena.

O evento será realizado na Jeunesse Arena, também conhecida como HSBC Arena ou Arena Olímpica. A moderna arena localizada na Barra da Tijuca foi palco das competições de Ginástica dos Jogos Olímpicos do Rio em 2016, amistosos da NBA além de ter sido palco de inúmeros artistas como Beyonce, Paul McCartney e Elton John. A empresa de cosméticos Jeunesse adquiriu recentemente o ‘naming right’ da Arena por três anos.  Com capacidade para cerca de 14.000 pessoas a Jeunesse Arena já recebeu cinco edições do UFC, a última em 2015 no UFC 193. As outras três passagens do Ultimate na cidade foram no Ginásio do Maracanãzinho.

As redes hoteleiras no entorno da região já estão com todas as reservas esgotadas e a expectativa é grande principalmente pela luta principal da noite; o campeão linear José Aldo enfrentará o campeão interino Max Holloway pela unificação do cinturão da categoria Peso-pena. O “campeão do povo” José Aldo se apresenta novamente na cidade que o coroou três vezes. Aldo recuperou o cinturão do Peso-pena em 2016 após derrotar Frankie Edgar, por decisão unânime, agora terá que unificá-lo nessa luta eletrizante.

O co-main evento, segunda luta principal da noite, será entre a brasileira Claudia Gadelha e a polonesa Karolina Kowalkiewicz pelo peso palha feminino, categoria que tem como detentora do cinturão, a também polonesa Joanna Jedrzejczyc. O card também marcará a aposentadoria de Vitor Belfort, que enfrenta Nate Marquardt pelo peso médio.

Quando o evento se encerrar na madrugada do dia 4, a cidade do Rio de Janeiro será, sem dúvida, a maior beneficiada, independente do desempenho dos brasileiros no evento. Em meio a maior crise de sua história, qualquer evento que ajude a movimentar a economia da cidade maravilhosa é bem visto. A expectativa da organização é que o evento seja bem sucedido. Cerca de 20% da receita gerada com ingressos está sendo revertida em marketing do próprio evento – a ação mais recente foi o “Tour das Letras”, onde o UFC levou sua marca para os principais pontos turísticos do Rio de Janeiro. Embora a expectativa de sucesso seja grande não está nem perto da febre que viveu a cidade em 2011, quando o UFC retornou ao Brasil depois de 15 anos de ausência, naquela ocasião o evento trouxe aos cofres da cidade cerca de R$90 milhões em investimentos e turismo. Dentro do octógono a expectativa são as melhores possíveis. Aldo e Holloway pretendem definir quem é o campeão de fato da categoria.

Torne-se um colaborador do Pós-Luta, ajude-nos a crescer e tenha seu nome no site. Conheça os benefícios de ser um colaborador. APOIA.SE!