Artigos

Sakuraba, pioneiro do esporte, lenda viva do MMA, agora no Hall da Fama do UFC


No dia 6 de julho, em cerimônia a ser realizada em Las Vegas, Estados Unidos, mais uma lenda do MMA ingressará no Hall da Fama do UFC, na categoria “Pioneiros”. Kazushi Sakuraba será homenageado no Hall da Fama do UFC ao lado de Urijah Faber, Maurice Smith e Joe Silva. Desconhecido pelos novos fãs de MMA, Sakuraba é uma unanimidade para qualquer um que tenha acompanhando o esporte nos últimos anos: “Sakuraba é excepcional! É um dos melhores lutadores até hoje” elogia Dana White, no livro “Kanashimi no Boku” autobiografia escrita pelo próprio lutador. Renzo Gracie, oponente do lutador no PRIDE 10 enfatizou certa vez: “A versão japonesa da família Gracie”.

Hoje com 47 anos Saku se diz honrado com o reconhecimento; “Quando eu subi no octógono 20 anos atrás no Ultimate Japan, no torneio dos pesados, eu nunca poderia imaginar que um dia seria convidado para entrar no Hall da Fame, junto com outras lendas. É meu desejo compartilhar essa honra para o mundo das artes marciais. Eu dei tudo o que pude nos treinos para poder aperfeiçoar minhas técnicas para dar aos fãs o espetáculo que eles mereciam. Acredito de coração que esse seja meu propósito na vida, sempre tentei alcançar o limite em tudo o que fazia.” diz Saku.

Há 20 anos, o UFC realizava seu primeiro evento internacional e a organização numa tentativa de popularizar a franquia no Japão, assina com as estrelas do Pro-Wreslting local: Hiromitsu Kanehara e Yoji Anjo — sim, o mesmo do célebre desafio à Rickson Gracie em sua academia, porém como obra do destino, Kanehara se lesiona num treino poucos dias antes do torneio e o recém-chegado ao Dojo Takada, Kazushi Sakuraba é promovido para substituí-lo.

Embora tenha uma passagem discreta pela organização — ele lutou duas vezes no torneio, com um “No Contest” e uma finalização por chave de braço, ambos resultados contra o brasileiro Marcus “Conan” Silveira no UFC Japan — Sakuraba fez história no MMA, representando seu país, o Japão e o Pro-Wrestling­­­. Nenhum outro lutador asiático alcançou uma carreira tão gloriosa no MMA como Kazushi Sakuraba. Apesar de sua carreira quase que irrelevante no UFC vemos essa homenagem como justíssima e marca mais um sucesso na carreira deste que é considerado um dos maiores ícones do esporte.

Sakuraba ficou conhecido pelo apelido de “The Gracie Hunter”, ou Caçador de Gracies em português. No entanto o apelido não é justo, já que quem o caçava eram os Gracie, embora sem sucesso. Sakuraba os derrotou um a um e em seu próprio jogo. Sua sequência de vitórias sobre os membros da família Gracie: Royler, Royce, Renzo e Ryan Gracie e sua trilogia com Wanderlei Silva, o “Cachorro Loco”, entraram para a história. Carlos Newton, Vitor Belfort, Guy Mezger, Quinton Jackson, Kevin Randleman, Ken Shamrock também não guardam boas memórias de Sakuraba nos ringues do PRIDE.

A Rivalidade com os Gracie

O primeiro encontro de Sakuraba com um Gracie foi no PRIDE 8. Na ocasião o japonês enfrentou Royler Grace. Desde que soou o gongo, Sakuraba mostrou superioridade na luta, desferindo chutes violentos contra Royler. Havia um simbolismo aí. À época, o nome da família Gracie figurava no topo do MMA mundial. Seus membros eram temidos. Jamais você viria um Gracie ser surrado dentro de um ringue ou no tatame. Isso não era comum. E, de repente, um japonês vindo do Pro-Wrestling inverteu o jogo e claro, ganhou a torcida e admiração nacional. A luta terminou de forma controversa. Sakuraba venceu Royler por finalização por meio de uma Kimura. No entanto, Royler não bateu. O juiz vendo a finalização bem encaixada e após uma falta de resistência de Royler acabou encerrando a luta. Sentindo-se injustiçados, os Gracie pediram uma nova luta com o japonês.

A possibilidade de uma revanche ocorreu no ano seguinte à primeira luta com Royler, no PRIDE Grand Prix 2000 Finals. Sakuraba enfrentou Royce Grace pelas quartas de final do evento do GP de Peso Aberto do Pride.  A luta também carregava um certo simbolismo, colocando frente a frente dois dos maiores nomes do MMA da época. Royce já era uma lenda. Popularizou o jiu jitsu nos Estados Unidos ganhando de forma surpreendente o UFC 1 (UFC 1: The Beginning), UFC 2 (UFC 2: No Way Out) e UFC 4 (Revenge of the Warriors). Coube a Royce honrar o nome da família.  Alguns momentos da luta, como o sorriso de Sakuraba ao tentar finalizar Royce com uma Kimura ou quando levantou o brasileiro do chão pela faixa do kimono ficaram imortalizados. O embate entrou para a história do MMA não só pelo contexto da rivalidade, mas por ter sido uma das lutas mais longas da história. Com rounds ilimitados e sem intervenção do árbitro, a luta terminou no 6º round aos 15 minutos. Depois de uma longa batalha, os Gracie jogaram a toalha, literalmente. Exausto, Royce não apresentava mais condições de continuar na luta.

saku-39-up-psAinda naquele ano, Sakuraba enfrentaria Renzo Gracie, outro lendário membro da família pelo PRIDE 10. A luta terminou de forma feia para o brasileiro. Renzo foi pego em uma Kimura no final do 2º round e teve seu braço quebrado por Sakuraba, em uma cena de arrepiar até os mais durões. Ainda hoje Renzo relembra esse momento como algo positivo em sua vida como artista marcial. “Essa luta foi muito importante para mim. Ficou claro para mim que minha mente sempre foi mais forte que meu corpo e ele [Sakuraba] provou isso para mim. Quando eu tive meu braço quebrado eu não desisti. E eu não iria desistir. Eu lembro de ter olhado para o arbitro e pensado: isso acontece o tempo todo, continue. Não pare a luta.” Disse Renzo em entrevista para a Graciemag.com. “Essa luta me fez compreender melhor todos os aspectos de uma luta… como é lutar com um braço quebrado e se isso acontecer como eu me sentiria. Já isso com alguns lutadores, alguns choram e gritam em pânico. Quando aconteceu comigo eu tinha um sorriso no rosto. Ainda que a dor fosse grande a única coisa que eu pensava era como eu havia sido pego nisso? Como ele conseguiu? Depois dessa luta eu entendi que a luta só acaba quando soa o gongo. Você não pode parar. Até aquele momento [da interrupção do juiz] eu acreditava que iria ganhar a luta.” completa o brasileiro.

Quatro meses depois foi a vez de Ryan Gracie entrar na sequência de derrotas dos Gracie para Sakuraba. Como em todas as lutas anteriores, alguns momentos dessa luta parecem surreais. Ver Ryan Gracie no chão levando tapas na bunda não era algum comum. Sakuraba venceu Ryan por decisão unânime dos juízes no PRIDE 12. Depois de fazer seu nome vencendo todos os Gracie que passaram por sua frente chegou a hora do Brasil ser vingado. Ao contrário dos Gracie, Wanderlei Silva, o “Cachorro Loco” impôs um novo tipo de jogo sobre Sakuraba, a trocação franca, algo até então pouco explorado por seus adversários.

Trilogia: Wanderlei Silva – Sakuraba

Ao contrário da família Gracie, com o brasileiro Wanderlei Silva a história de Sakuraba não é tão gloriosa. Foram três embates, com três vitórias de Wanderlei. A primeira luta entre ambos ocorreu no ano de 2001, no PRIDE 13: Collision Course,  quando Sakuraba sofreu um nocaute técnico logo no 1º round em menos de dois minutos de luta. Foram dois minutos de uma luta intensa, com direito a joelhadas e tiros de meta na cabeça de Sakuraba. Esses golpes inclusive se tornaram a marca do Cachorro Loco. Na ocasião, ambos estavam no auge de suas carreiras. Wanderlei vinha iniciando sua carreira no Japão. Já acumulava importantes vitórias em seu cartel contra Dan Henderson e Guy Mezger e ainda naquele ano ganharia o cinturão do Peso Médio no PRIDE. Enquanto que Sakuraba, estrela no seu país, já era conhecido pelos brasileiros por suas vitórias esmagadoras sobre o clã Gracie.

No segundo embate entre ambos, no PRIDE 17: Championship Chaos outra vitória de Wanderlei por nocaute técnico. Apesar do resultado, essa foi uma luta mais disputada, com Sakuraba levando Wanderlei ao chão logo no começo da luta. Sakuraba não pode retornar ao 2º round por conta de uma lesão na clavícula, resultado de uma queda de Wanderlei em Sakuraba.

Coube ao destino colocar os dois mais uma vez frente a frente, Wanderlei e Sakuraba fizeram a luta principal da noite, as quartas de final do Torneio de Médios de 2003 no PRIDE Total Elimination. Essa foi a última luta entre ambos e com certeza uma das melhores. Ainda no 1º round Wanderlei conseguiu um nocaute devastador sobre Sakuraba – um dos mais bonitos de sua carreira. Com exceção da segunda luta, foram duas vitórias incontestáveis de Wanderlei sobre Sakuraba, que mostrou boas lutas para o público, inclusive em suas derrotas.

Torne-se um colaborador do Pós-Luta, ajude-nos a crescer e tenha seu nome no site. Conheça os benefícios de ser um colaborador. APOIA.SE!