Notícias

Desafiante ao cinturão peso-pena, José Aldo participa de media day no RJ


No dia 2 de dezembro, o ex-campeão peso-pena do UFC® José Aldo retorna ao octógono para a revanche contra o atual campeão Max Holloway, valendo o cinturão da divisão. Nesta segunda-feira, 20, José Aldo participou de um Media Day no Rio de Janeiro e falou sobre a luta no UFC® 218.

Confira algumas declarações de Aldo:

Sobre estar ‘engasgado’ com a derrota para Holloway no UFC® 212: “Para mim, cada luta é uma luta. Isso é um esporte. Você caminha com a vitória ou com a derrota. Acho que aquele que luta sempre, um dia pode perder, é uma possibilidade do esporte. Então, não me vejo engasgado [por ter perdido para o Holloway], mas sim, pelo fato do cinturão não estar comigo. Então, hoje o que me deixa mais motivado a treinar mais é querer recuperar o cinturão. Eu estou com saudade de vencer. Na última luta, não fui muito bem, mas eu estou com uma visão nova, estou querendo lutar, quero muito ir para frente o tempo todo e pode ter certeza, essa luta acaba o quanto antes”.

Estratégia para a luta contra Max Holloway: “Eu não estou pensando no Holloway, se vai ser o Ricardo Lamas, se vai ser o campeão… Não importa quem seja. Eu estou treinando para mim, por mim. Eu estou fazendo as minhas habilidades. Eu não tenho hoje em dia estudado os adversários, ficado preocupado com o que eles fazem. Para mim, pouco me importa. Eu estou lutando por mim. Eu vou chegar lá dentro, vou fazer o meu jogo, vou sufocar do início ao fim e ele que se preocupe com defesa. Eu acho que uma coisa que eu sempre tive na cabeça foi que a melhor defesa é o ataque, então, eu estava nas últimas lutas me resguardando, estava tentando lutar pensando no ponto forte do adversário e isso me atrapalhou bastante. Agora não. Eu quero chegar lá dentro e ser eu, ser o melhor Aldo”.

Primeira revanche contra um lutador que o derrotou: “É uma motivação a mais. Eu já queria ter feito uma revanche da luta contra o Conor que eu perdi, mas não veio. Eu fico feliz não pela revanche, mas pela chance de estar disputando o cinturão novamente. É isso para mim que me motiva, que faz eu acordar cedo, vir treinar cada vez mais, é voltar a ser campeão”.

Sobre voltar a Detroit onde se tornou oficialmente campeão do UFC®: “É um fator especial. Foi lá onde eu virei campeão do UFC, onde oficialmente o Dana [White] me entregou o cinturão. Estamos voltando de novo para lá para mais um reinado. Fisicamente e tecnicamente, eu estou numa fase muito boa. Eu passei um pouco de tempo nos Estados Unidos onde eu pude treinar boxe, aprender coisas novas para ajudar no nosso jogo. Então, pode ter certeza que eu vou sufocar do início ao fim”.

Planos se conquistar o cinturão: “Eu quero defender o cinturão. Eu acho que se eu tiver oportunidade de fazer superlutas, para mim, eu adoro, acho que isso chama bastante atenção, a gente ganha com isso, mas a minha prioridade agora é defender o cinturão e fazer mais lutas, acho que isso me atrapalhou, eu senti um pouco, mas agora eu quero lutar uma atrás da outra”.

Sobre migrar para o boxe: “Eu tenho o sonho sim de lutar boxe, esse é um desejo pessoal meu, mas antes disso eu tenho um contrato, então, eu vou procurar honrar meu contrato da melhor maneira possível e quem sabe futuramente a gente possa fazer umas lutas de boxe, mas é logico, como eu sempre falo, começando de baixo. Não quero desafiar ninguém, quero construir uma carreira, acho que eu sou novo ainda, não tenho tanta experiência, mas quando eu estiver livre do contrato, se eu tiver a oportunidade, eu quero ir sim”.

Torne-se um colaborador do Pós-Luta, ajude-nos a crescer e tenha seu nome no site. Conheça os benefícios de ser um colaborador. APOIA.SE!