Artigos

Camaronês no UFC, conheça Francis Ngannou


Nesta categoria lutam lutadores entre 93 e 120 kg. Eles são grandes, muitas vezes ágeis e tem a mão pesado. Um golpe bem conectado é o suficiente para acabar a luta e isso, muitas vezes, ocorre rápido. Se piscar, perdeu a luta brincam alguns comentaristas.

No UFC essa é uma das categorias mais empolgantes, mas é infelizmente uma das menos disputadas. Há muito tempo essa divisão sofre com a baixa renovação de atletas. Apenas nos últimos cinco anos,  Cain Velasquez disputou três lutas (2 vitórias e 1 derrota), e ainda assim é o terceiro do ranking dos peso pesados do UFC. Alistair Overeem, Mark Hunt e Andrei Arlovski, veterânos do esporte ainda figuram em destaque no ranking.

No entanto, essa sina está mudando. O motivo? Francis Ngannou, o “Predador”. Nascido em Batié, Camarões, ele é um dos poucos representantes do continente africano no UFC. Ngannou tem um cartel de 11 lutas e 10 vitórias como lutador profissional. Apenas no UFC foram 5 lutas e 5 vitórias, a última delas por TKO no 1o Round contra Andrei Arlovski no UFC on Fox 23: Shevchenko vs. Peña. A próxima luta de Ngannou ocorrerá neste sábado, 2, no UFC 218 contra Alistair Overeem. O combate tem muito em jogo. Primeiro do ranking, se Overeem ganhar essa luta sua disputa do cinturão contra Stipe Miocic será inevitável. Por outro lado, uma vitória de Ngannou o colocará lado a lado com o brasileio Fabricio Werdum pela disputa do título contra Miocic.

Ngannou emigrou para a França ainda jovem, em busca de uma vida melhor. O camaronês passou a infância vendo lutas do maior lutador de sua época, Mike Tyson. Curiosamente, no mesmo ano de nascimento de Ngannou, Mike Tyson surpreendeu o mundo ao derrotar, aos 20 anos, Trevor Berbick e conquistar o título mundial de pesos pesados do Conselho Mundial de Boxe (WBC). Era no boxe que Nganoou via uma possibilidade de sair na pobreza. Depois de três anos procurando por oportunidades, acabou surgindo uma possilidade de treinar na MMA Factory de Paris.

Em entrevista ao MMAJunkie.com, o primeiro treinador de Ngannou, Fernand Lopez: “Meu colega me avisou que um homem muito grande tinha ido pedir para treinar na academia. Quando cheguei no dia seguinte, Francis estava lá. Eu conversei com ele e dei duas malas cheias de roupas e equipamentos como kimonos e luvas de boxe e disse: ‘Por favor, treine o MMA’

“Ele não sabia nada sobre MMA, mas o jeito com que ele se movimentava e o jeito que ele pensava… Ele era muito inteligente e aprendia as coisas muito rápido. Sabia que se ele continuasse treinando, ele seria um campeão. Quando ele me pediu para deixar as bolsas com as coisas que ele havia ganho dentro da academia, porque lá fora não era seguro para ele, eu percebi que ele era um morador de rua. Na hora eu ofereci para ele dormir na academia. Depois disso, ele trabalhou muito duro em tudo para conquistar um espaço decente para morar”, conta Lopez. “Ele pediu para eu guardar suas malas no ginásio, porque não se sentia seguro com elas lá fora”, disse Lopez. “Esse foi o momento em que eu percebi que ele era sem-teto. Eu ofereci para ele um espaço para dormir na academia. Enquanto isso, começamos a trabalhar em tudo para conseguir um lugar digno para ele viver”.

Ngannou sonhava em ser um campeão de boxe, mas com a ajuda de Lopez, ele voltou sua atenção para o MMA. Sua estreia no octogono foi em 2013 no “100% Fight: Contenders”, evento este em que Ngannou conquistou um cartel de 3-1. “Ele simplesmente se apaixonou por MMA”, disse Lopez. Em seguida foram depois de duas vitórias em eventos europeus menores, Ngannou recebeu proposta para estrear no UFC, onde acumulou vitórias sobre Luis Henrique (nocaute por socos no 2 Round), Curtis Blaydes (nocaute por interrupção médica no 2 Round), Bojan Mihajlovic (nocaute técnico por socos no 1 Round), Anthony Hamilton (finalização por kimura no 1 Round) e Andrei Arlovski (nocaute técnico por socos no 1 Round).

Vencendo seu próximo adversário, Alistar Overeem, Ngannou pode se credenciar para disputar o cinturão da divisão. Werdeum que nos perdoe, mas o Predador camaronês é nossa aposta para futuro detentor cinturão dos peso-pesados. Um cinturão coroaria essa história de cinderela. Fica a nossa torcida.

Torne-se um colaborador do Pós-Luta, ajude-nos a crescer e tenha seu nome no site. Conheça os benefícios de ser um colaborador. APOIA.SE!