Artigos

UFC St Louis: Stephens nocauteia Choi e Belfort adia despedida


O primeiro UFC do ano de 2018, o UFC Fight Night: Stephens vs. Choi em St. Louis, Missouri nos Estados Unidos não teve a tão esperada última luta de Vitor Belfort, mas ainda sim o evento foi empolgante.

Na luta principal, e a melhor da noite, o veterâno Jeremy Stephens impôs uma vitória avassaladora sobre Doo Ho Choi, o SuperBoy Coreano no segundo round por nocaute técnico. O card principal contou ainda com outras boas lutas. Zebras, Jessica-Rose Clark e Darren Elkins sairam vitoriosos. Kamaru Usman confirmou o favoritismo e obteve uma vitória icontestável sobre Emil Meek. Pouco antes de iniciar o card principal, o UFC fez uma rápida homenagem a Matt Hughes que recuperado de um acidente grave (seu carro bateu em um trem em movimento) pode acompanhar na primeira fila as lutas do evento.

Pouco animado o card preliminar contou apenas com um nocaute e uma finalização. As lutas restantes terminaram com decisão final dos árbitros.

Vitor Belfort teve sua tão esperada aposentadoria adiada devido a um problema médico de seu rival, Uriah Hall que desmaiou e teve uma convulsão no elevador do hotel a caminho da última pesagem para a luta. Horas depois, Michael Bisping postaria em sua página oficial no instagram a foto de seu próximo adversário: Belfort. A organização do evento para não perder o timing de ritmo de treino de Belfort o escalou para lutar com o rival inglês no UFC Londres, que deve ocorrer em março. Outro brasileiro, Thiago “Pitbull” Alves, também teve sua luta cancelada pelo mesmo motivo. Seu oponente, Zak Cummings se acidentou horas antes de bater o peso e teve que ir às pressas ao hospital.

Sem título

Card principal

Jeremy Stephens (vitória por nocaute técnico) vs. Doo Ho Choi

Na luta principal do evento, e a melhor da noite, o veterâno Jeremy Stephens impôs uma vitória avassaladora sobre Doo Ho Choi, o SuperBoy Coreano no segundo round por nocaute técnico. Temido na divisão dos penas, o coreano só havia perdido em 2 oportunidades em um cartel de 16 lutas. Sua última derrota (para Cub Swanson) foi eleita a luta do ano de 2016 pela World MMA Awards e a ESPN.

Paige VanZant vs. Jessica-Rose Clark (vitória por decisão unânime)

Vitória para Jessica-Rose Clark que conseguiu impor seu jogo de chão sobre Paige Van Zan. No primeiro e segundo round, Clark obteve vitória, chegando a quase finalizar Van Zant com um triângulo. No intervalo do segundo round Van Zant disse a seus corners que achava que seu braço direito estava quebrado e de fato no terceiro round mal desferiu golpes com seu braço machucado, focando em chutes aleatórios. Resultado da luta: uma vitória por decisão unânime (29-28, 29-28 e 29-28) dos árbitros para Rose Clark.

A luta era importante para Paige Van Zant que faz sua estreia na categoria peso mosca feminino.  Desde que perdeu para Michelle Waterson em Dezembro de 2017, Van Zant fez grandes mudanças em sua rotina de treinos, desceu de categoria e para ficar próxima à familia, migrou do Team Alpha Male para a academia Gracie Barra em Portland, nos Estados Unidos, onde vem treinando Jiu-Jitsu com o brasileiro Fabiano “Pega-Leve” Scherner.

Kamaru Usman (vitória por decisão unânime) vs. Emil Meek

Kamaru Usman obteve vitória incontestável contra o “Viking” Emil Meek ao vencer por decisão dos árbitros por (30-27, 30-27 e 30-27). Empolgado com a boa vitória (a décima consecutiva) Usman disse não estar 100% para a luta e mesmo assim conseguiu uma boa vitória e ainda pediu uma luta conra Colby Covington. “Colby, você pode correr mas não pode se esconder! O pesadelo nigeriano está atrás de você” disparou Usman em entrevista ainda no octógono.

Darren Elkins (vitória por finalização) vs. Michael Johnson

Depois de conseguir 1 vitória em suas últimas 4 lutas, Michael Johnson desceu da categoria dos leves para os penas, em busca de melhores oportunidades. Em uma luta bastante disputada, Johnson saiu na frente no 1o Round, mas Elkins conseguiu reverter o destino da luta e no 2o Round conseguiu derrubar Johnson. Elkins buscou as costas partiu para uma finalização por mata-leão. Com a vitória Elkins já acumula 13 vitórias na divisão dos penas, das quais 6 em sequência. Somente o detentor do cinturão Max Holloway possui mais vitórias. Não à toa, Elkins ainda no octógono pediu uma próxima luta contra o havaiano.

Card preliminar

O card preliminar começou com uma vitória de Mads Burnell contra Mike Santiago por decisão unânime dos árbitros (29-28, 29-28 e 29-28). Na primeira luta feminina da noite, JJ Aldrich, para a alegria de Rose Namajunas que torcia na arquibancada, venceu também por decisão unânime dos árbitros a adversária Danielle Taylor. Com uma envergadura de 18 cm de vantagem, JJ impôs uma vitória com domínio total sobre Taylor. Em seguida, em outra luta feminina, e a mais dinâmica do card preliminar, Jessica Eye impôs uma derrota à brasileira Kalindra Faria por decisão dividida dos árbitros (29-28, 28-29 e 29-28). Outra brasileira, Talita Fernando também saiu derrotada. Irene Aldana conseguiu uma vitória com domínio absoluto sobre a brasileira, que não teve chance. Todos os árbitros deram 29-27 para a mexicana Aldana, que já desponta como promessa na divisão peso galo feminino. Na primeira vitória por finalização da noite, Kyung Ho Kang derrotou o argentino Guido Cannetti por uma finalização por triângulo a 7 segundos de terminar o primeiro round. Foi uma vitória importante para Ho Kang, que estava há cerca de 2 anos fora do MMA por conta de alistamento militar obrigatório que teve que fazer em seu país de origem, a Coreia do Sul. Marco Polo Reyes também não levou sua luta para a decisão dos árbitros e impôs um nocaute sobre Matt Frevola em 1 minuto de luta do 1º Round. Na última luta do card preliminar, James Krause venceu Alex White por… (adivinha?) decisão dos arbitros (29-28, 29-28 e 29-28).

Torne-se um colaborador do Pós-Luta, ajude-nos a crescer e tenha seu nome no site. Conheça os benefícios de ser um colaborador. APOIA.SE!