Artigos

UFC Fight Night 128: péssima noite para os brasileiros


O UFC Fight Night 128 marcou a nona edição do evento em Atlantic City, a cidade dos cassinos e do famoso calçadão. Foram no geral lutas muito bem casadas, mas o destaque ficou mesmo com as duas lutas principais entre Barboza e Lee e Edgar (lutando em casa) e Swanson. Outra luta que merece destaque foi entre  Ricky Simon e Merab Dvalishvili, marcada por uma polêmica no resultado final. Dvalishvili apagou ou não na guilhotina? A luta acabou ou o juíz deu nocaute técnico (ou finalização)? Certamente, esse vai ser o assunto do final de semana nos fóruns e na mídia especializada.

O UFC, assim como o último evento, teve alguns reveses no card. A luta entre Aspen Ledd e Leslie Smith teve que ser cancelada. Ladd não conseguiu bater o peso da divisão (de 61,7kg) e os médicos da comissão local não permitiram que ela continuasse com o processo de perda de peso por motivos de precausão à sua saúde. Além disso, Smith não aceitou enfrenta-la mesmo com um bônus extra de R$ 5 mil dólares (além de um corte de 20% na bolsa de Ledd). Outra luta cancelada foi entre o russo Magomed Bibulatov e o japonês Ulka Sasaki. Bibultov sofreu uma lesão nas costas horas antes do inicio da pesagem oficial.

Apesar disso, as lutas canceladas não tiraram o brilho do evento, vimos excelentes lutas tanto no card principal como preliminar.

UFC_Fight_Night_128

Card Principal

Edson Barboza vs. Kevin Lee
Categoria: Leves

Em uma luta sensacional, Barboza começou tomando um atraso de Kevin Lee, que venceu os dois primeiros rounds, na nossa opinião, por 10-8. No terceiro  round Barboza já estava bastante desgastado mas conseguiu acertar um chute giratório que quase acabou com o norte-americano. A quase reviravolta reanimou o espírito da luta, mas pouco mudou na contagem (e vantagem de Lee sobre Barboza). No quinto round o juíz decidiu acabar com a luta após constatar danos severos no rosto de Barboza.

Frankie Edgar (vencedor; decisão unânime) vs. Cub Swanson 
Categoria: Penas

Numa luta de três rounds como já era esperado, Frankie Edgar derrotou Cub Swanson por decisão unânime dos árbitros (30-27, 30-27, 30-27). Havia expectativa que Swanson pudesse vencer essa luta, revertendo uma derrota sofrida para Edgar quatro anos atrás. No entanto, Swanson não foi páreo para o estilo veloz de Frankie Edgar.

Justin Willis (vencedor; decisão unânime) vs. Chase Sherman                           Categoria: Pesados

Contrariando a expectativa de luta rápida, marca dos pesados, Justin Willis e Chase Sherman levaram a luta para decisão dos árbitros, que deram vitória para Willis por decisão unânime (29-28, 29-28, 29-28). Willis chegou por diversas vezes próximo de nocautear Sherman, mas por algum motivo, provavelmente para não queimar todo o gás logo de cara, não aproveitou a chance e deixou Sherman se recuperar. A torcida não gostou do que viu, com razão.

David Branch (vencedor; nocaute) vs.Thiago Santos 
Categoria: Médios

Em um resultado inesperado, David Branch conseguiu um nocaute sobre Thiago “Marreta” na metade do 1o round. A maioria dos analistas (inclusive nós) acreditavamos que Branch iria forçar o jogo de chão, uma de suas especialidades e que não iria trocar com alguém com a mão pesada como Marreta. Ledo engano. Branch interrompeu uma  sequência de quatro vitórias consecutivas por nocaute técnico de Thiago Marreta.

Aljamain Sterling (vencedor; decisão unânime) vs. Brett Johns 
Categoria: Galos

Em uma luta de três rounds, Aljamain Sterling venceu Brett Johns por pontos (decisão unânime; 30-27, 30-27, 30-27). Sterling mostrou bom dominio de jogo e já desafiou Dominick Cruz em entrevista ainda no octógono. No twitter, alguns comentaristas se questionaram por que não desafiar seus antigos algozes, os brasileiros Marlon Moraes e Raphael Assunção e o norte-americano Bryan Caraway.

Em respostas no twitter, Bryan Caraway disse que o Sterling que venceu a luta é um lutador completamente diferente do que aquele que ele havia derrotado no passado e, além disso, disse que ficou impressionado com a evolução de Sterling como lutador.

Jim Miller vs. Dan Hooker (vencedor; nocaute)
Categoria: Leves

Em uma luta rápida, Dan Hooker conseguiu uma joelhada mortal no queixo de Jim Miller, que caiu nocauteado. Essa foi a terceira vitória seguida de Hooker, enquando Miller acumulou sua quarta derrota consecutiva.

Card Preliminar

Na primeira luta do evento, Tony Martin venceu sem grande dificuldade Keita Nakamura por decisão unânime dos árbitros (30-27, 30-27, 30-27). Essa foi a estreia de Martin na divisão dos meio-médios, enquanto o japonês Nakamura voltava ao UFC depois de uma passagem não bem sucedida. Nessa segunda passagem pelo UFC, Nakamura fez 6 lutas (contando com o evento de hoje), sem conseguir emplacar 2 vitórias consecutivas.

Corey Anderson encerrou uma sequência de duas derrotas consecutivas (Ovince Saint Preux e Jimi Manuwa) no UFC ao vencer Patrick Commins por decisão dos árbitros (30-26, 30-26 30-27). Anderson mostrou dominio total sobre Cummins em todos os rounds. Commins praticamente tentou sobreviver como pode. Nem no wrestling, sua especialidade, Cummins conseguiu mostrar superioridade. Ao contrário de Anderson, Cummins vinha de duas vitórias consecutivas (contra Gian Vilante e Jan Blachowicz).

Primeiro brasileiro a entrar no octógono, Luan Chagas começou bem o primeiro round. Mas no segundo round foi acertado com um chute frontal no abdomen, fazendo o brasileiro a cair se contorcendo de dor no chão. Resultado final: nocaute (por chute) do afegão Siyar Bahadurzada.

Em uma luta sensacional, Ricky Simon venceu por nocaute técnico aos 45 do segundo tempo da prorrogação. Simon, estreando no UFC, havia perdido os dois primeiros rounds, com Merab Dvalishvili mostrando bastante intensidade e versatilidade. Até que no final do terceiro round, Simon conseguiu aplicar uma boa guilhotina. Imobilizado, Dvalishvili tentou se defender a todo custo (com as pernas), mas sem sucesso. Com o soar do gongo, Dvalishvili ficou estirado no chão dando a entender que havia apagado. Depois de uma troca de opinião dos árbitros, foi dada a vitória por nocaute técnico a Ricky Simon. Excelente luta, de longe a melhor do card preliminar.

Na última luta do card preliminar, Ryan Laflare e Alex Garcia fizeram uma luta morna, sem grande ação. Laflare saiu com ligeira vantagem em todos os 3 rounds, garantindo assim uma vitória por decisão unânime (30-27, 30-27, 30-27).

Torne-se um colaborador do Pós-Luta, ajude-nos a crescer e tenha seu nome no site. Conheça os benefícios de ser um colaborador. APOIA.SE!