Artigos

ESPN arremata os direitos de transmissão do UFC


UFC-News-ESPN-Rights-964266

Nesta semana o UFC colocou o MMA mais uma vez em um patamar superior, rumo a maior popularização e credibilidade ao esporte. Estamos falando da aquisição dos direitos de transmissão do UFC pela ESPN, o maior canal de esportes do mundo.

O acordo, assinado no dia 23 de maio não foi nenhuma surpresa. Semanas atrás o UFC já havia anunciado que alguns de seus eventos e o programa Dana White’s Tuesday Night Contender Series já seriam transmitidos via stream pela ESPN+, plataforma digital da empresa de telecomunicações.

Pelo acordo, que começa a vigorar a partir de 2019, a ESPN terá o direito de transmissão de 32 eventos por ano (dos quais 20 exibidos na ESPN+ e 12 nos canais ESPN), além de 12 cards preliminares dos eventos numerados (exibidos em PPV). Para isso, a ESPN desembolsará um valor de US$ 1,5 bilhão (algo em torno de R$ 5,5 bilhões de reais) a ser pago ao longo de cinco anos. O valor é quase o dobro do que a FOX Sports pagou ao UFC por um contrato de sete anos. Em valores nominais e pré-estabelecidos, o acordo é sem precendentes na história da organização. No entanto, os benefícios vão muito além.

“A plataforma multimídia da ESPN é o lar perfeito para o UFC e proporcionará um temendo valor para ambas as partes. Os fãs do UFC são apaixonados e leais e planejamos trazer todo o poder da cobertura ao vivo da ESPN e sua distribuição inigualável para atendê-los de uma maneira inigualável” disse o presidente da ESPN, Jimmy Pitaro.

“Todos os anos nesses últimos 18 anos, nós sempre fizemos algo para levar esse esporte para um outro patamar e nós fizemos isso de novo com esse acordo. Estamos no que todos consideram como o líder global em esportes” disse Dana White, presidente do UFC.

Até o final deste ano, o UFC continuará a ser transmitido pela FOX Sports. O canal havia adquirido a transmissão do evento em 2011 e desde então transmitiu cerca de 119 cards sob os mais diversos veículos do canal: FOX, FS1, FS2, FX, e a extinta FUEL TV. Pode ter pesado contra na negociação FOX/UFC o recente investimento (bilionário) feito pela empresa de telecomunicações na compra dos eventos da WWE Smackdown.

Para os fãs brasileiros à principio nada muda, uma vez que os direitos de transmissão dizem respeito apenas aos Estados Unidos da América e que a Globosat ainda possui os direitos de transmissão do UFC no Brasil.

Torne-se um colaborador do Pós-Luta, ajude-nos a crescer e tenha seu nome no site. Conheça os benefícios de ser um colaborador. APOIA.SE!

Artigos

UFC Fight Night 129: Chile recebe o UFC pela primeira vez


Pela primeira vez no país o UFC conseguiu empolgar os fãs chilenos com boas lutas inclusive explorando rivalidades locais (Argentina x Chile). A luta entre Guido Cannetti e Diego Rivas foi, de longe, a mais ovacionada pela torcida. Na entrevista ainda no octógono mal se podia ouvir Cannetti, com tantos gritos dos chilenos.  Tatiana Suarez obteve uma vitória rápida e avassaladora sobre a atleta local, Alexa Grasso. Na luta principal, mesmo com o apoio da torcida, Demian Maia não conseguiu superar Kamura Usman, que confirmou o favoritismo.

a121c792-007a-4134-a1e8-be98c80046ed

Card Principal

Demian Maia (vitória por decisão unânime) vs. Kamaru Usman
Categoria: Meio-médio
Resultado: Decisão unânime
Tempo: 5 rounds
Juiz: Leon Roberts
Arbitros: Guilherme Bravo, Sal Damato e Chris Lee
Músicas: Numb – Linking Park (Maia) / Micaela de Sonora Carruseless (Usman)
Patrocinio Reebok: Anders (TBA) / Machida (TBA)
Suspensão Médica: Anders (TBA) / Machida (TBA)

Na luta principal da noite, Kamaru Usman obteve vitória por decisão unânime sobre Demian Maia, em uma luta onde já se esperava 5o rounds bastante intensos. Maia é um lutador que vem melhorando muito soa trocação em pé e tem uma resistência a danos muito grande, então a vitória de Usman não seria nada fácil. Usman foi vencendo round por round, conseguiu se defender muito bem das inúmeras tentativas de queda de Maia e ainda mostrou uma boa trocação em pé, conseguindo inclusive um knockdown em cima de Maia. Em entrevista ainda no octogono, Usman disse que não vai mais pedir por nomes, “eles que terão que ir atras de mim agora”.

Alexa Grasso vs. Tatiana Suarez (vitória por finalização)
Categoria: Palha
Resultado: Finalização (RNC)
Tempo: 1o Round (2min 44seg)
Juiz: Camila Albuquerque
Arbitros: Guilherme Bravo, Sal Damato e Richard Bertrand
Músicas: Paper Planes (Dfa Remix) – M.I.A (Grasso) / Heads Will Roll – Yeah Yeah Yeahs (Suarez)
Patrocinio Reebok: Anders (TBA) / Machida (TBA)
Suspensão Médica: Anders (TBA) / Machida (TBA)

Na segunda principal luta da noite, Tatiana Suarez finalizou Alexa Grasso nos primeiros minutos do 1o Round, mantendo assim sua invencibilidade no UFC. Até agora foram 7 lutas e 7 vitórias. Foi uma importante luta para Tatiana que agora sobe no ranking ao vencer uma adversária do top 10 de sua categoria.

 

Jared Cannonier vs. Dominick Reyes (vitória por TKO)
Categoria: Meio-pesado
Resultado: TKO (socos)
Tempo: 1o Round (2min 55 seg)
Juiz: Mark Goddard
Arbitros: Marcelo Vilhena, Fabio Alves e Richard Bertrand
Músicas: Mann!! – Big Moe (Cannonier) / Walk It Talk It – Migos Feat. Drake (Reyes)
Patrocinio Reebok: Anders (TBA) / Machida (TBA)
Suspensão Médica: Anders (TBA) / Machida (TBA)

Em uma luta rápida, Dominick Reyes obteve vitória sobre Jared Cannonier por TKO ainda no 1o Round. Ambos trocavam golpes contundentes até que Reyes conseguiu uma boa sequência sobre Jared, que desabou ao levar um soco certeiro no queixo.

Diego Rivas vs. Guido Cannetti (vitória por decisão unânime)
Categoria: Galo
Resultado: Decisão unânime (30-28, 30-28, 30-28)
Tempo: 3 Round (decisão unanime)
Juiz: Leon Roberts
Arbitros: Chris Lee, Richard Bertrand e Fabio Alves
Músicas: Visions – Danrell & Alec King (Rivas) / Sacate La Mierda – Carajo (Cannetti)
Patrocinio Reebok: Anders (TBA) / Machida (TBA)
Suspensão Médica: Anders (TBA) / Machida (TBA)

Em uma luta eletrizante, o argentino Diego Rivas enfrentou o atleta da casa, Guido Cannetti. Todos os rounds foram bastante apertados, dificil de pontuar. Cannetti saiu em ligeira vantagem no 1o e 2o round, o que acabou pesando na decisão dos árbitros de mesa. Rivas venceu apenas o último na nossa contagem. Ao final, os árbitros deram vitória por decisão unanime (29-28, 29-28, 29-28) a Guido Cannetti, levando a ira geral da torcida da casa.

Veronica Macedo vs. Andrea Lee (vitória por decisão unânime)
Categoria: Mosca
Resultado: Decisão unânime (30-27, 30-27, 30-27)
Tempo: 3 Round (decisão unanime)
Juiz: Camila Albuquerque
Arbitros: Guilherme Bravo, M. Vilhena e Sal Damato
Músicas: Amen – Kendo Kaponi Feat. Anuel AA (Macedo) / Holy Diver – Dio (Lee)
Patrocinio Reebok: Anders (TBA) / Machida (TBA)
Suspensão Médica: Anders (TBA) / Machida (TBA)

Na primeira luta feminina do card principal, a norte-americana Andrea Lee obteve vitória por decisão unânime (30-27, 30-27, 30-27) contra a venezuelana Veronica Macedo. No primeiro round, Lee saiu na frente, impondo seu ritmo sobre Macedo, que em seu único bom momento no 1o Round acertou dois chutes certeiros na cabeça de Lee. Nos dois rounds seguintes, Lee obteve ligeira vantagem sobre Macedo. Em todos os rounds, uma cena se repetiu: Macedo no chão tentando ganhar tempo (e descansar) e Lee em pé chutando e esperando uma reação (e tb se recuperando).

Vicente Luque (vitória por nocaute no 1o Round) vs. Chad Laprise
Categoria: Meio-médio
Resultado: Nocaute (socos)
Tempo: 1o Round (4min 16seg)
Juiz: Mark Goddard
Arbitros: Guilherme Bravo, Richard Bertrand e Sal Damato
Músicas: Baby Baby – Tropkillaz (Luque) / ?? (Laprise)
Patrocinio Reebok: Anders (TBA) / Machida (TBA)
Suspensão Médica: Anders (TBA) / Machida (TBA)

Com enorme apoio da torcida local, Vicente Luque obteve uma vitória avassaladora contra o norte-americano Chad Laprise. No final do primeiro round Luque conseguiu conectar um golpe certeiro no queixo de Laprise. Depois do knock-down Luque foi pra cima com uma sequência de socos não dando outra alternativa ao juiz se não encerrar a luta.

Card Preliminar

Na primeira luta da noite, Puelles vence Silva por finalização no 3o Round. Foi uma grande reviravolta, Puelles estava perdendo os dois primeiros rounds. No segundo round quase não levantou para o corner e no terceiro havia tomado dois knockdowns até que no final do 3 Round conseguiu aplicar uma bela finalização em Silva.

Na sequência, Henry Briones enfrentou Frankie Saenz pela divisão dos galos. Saez conseguiu a vitória por decisão unânime (30-27, 30-27, 30-26) dos árbitros. Após um primeiro round mais apertado, Saenz impôs dois bons rounds sobre Briones, aplicando uma maior sequência de golpes significativos, quedas e tentativas de finalização. Ao final, Saenz saiu bastante aplaudido pela torcida local.

Enrique Barzola e Brandon Davis se enfrentaram pelos penas. Com total apoio da torcida local, o peruano Enrique Barzola obteve vitória incontestável sobre o americano Brandon Davis por decisão unânime (30-26, 30-27×2) dos árbitros.

Gabriel Benitez do Peru e Humberto Bandenay do Mexico fizeram a luta seguinte. Benitez começou o 1o Round mais agressivo, conseguindo até um belo knockdown. Com Benitez por cima, Bandenay tentou pegar seu braço, mas Benitez respondeu com um bate estaca mortal. Só precisou de um soco para apagar Bandenay. Belo KO! Saindo do octógono, o corner de Bandenay parecia explicar o que havia acontecido. Black-out total no mexicano.

Ao som do tema de Sakura (Theme of Sakura – Hideyuki Fukusaswa), personagem do Street Fighter, a japonesa Syuri Kondo subiu no octógono para enfrentar a brasileira Poliana Botelho. Botelho obteve uma vitória arrasadora sobre a japonesa logo no inicio do 1o Round depois de um chute bem aplicado no estômago e uma sequencia de socos

Na luta seguinte, foi a vez de Alexandre Pantoja subir ao octógono para representar a bandeira verde e amerela, contra o mexicano Brandon Moreno. Pantoja obteve vitória por decisão unânime (29-27, 29-26, 29-26), após uma verdadeira batalha contra Moreno. Com uma luta com boa movimentação de ambos os lados. Pantoja levou o 1o Round com relevante vantagem. Moreno foi praticamente salvo pelo gongo (de uma possível finalização) no final do 1o round. Nos dois 2o rounds seguintes, apenas uma ligeira vantagem para Pantaja.

Na última luta do card preliminar, vaias da torcida para o pouco combativo Zak Cummings. Prazeres fez uma boa luta. Apesar da menor envergadura conseguiu ser superior na trocação, impôs seu ritmo em pé. Ao final, os árbitros deram vitória dividida para o brasileiro, que saiu aplaudido pela torcida.

Torne-se um colaborador do Pós-Luta, ajude-nos a crescer e tenha seu nome no site. Conheça os benefícios de ser um colaborador. APOIA.SE!

Artigos

UFC 224: Nunes mantêm cinturão; Belfort se aposenta no UFC e Shogun no Hall da Fama


DSCN1007.JPG

O UFC 224 foi sem dúvida um dos mais empolgantes a ocorrer na cidade do Rio de Janeiro (foram nove eventos no total). Com lutas bem casadas e, como sempre, os lutadores sentindo toda a vibração dos brasileiros deram um bom espetáculo a quem assistiu o evento. Apenas duas lutas foram para a decisão dos arbitros (a do brasileiro Alberto Mina contra Ramazan Emeev e a luta principal entre Amanda Nunes e Raquel Pennington). Primeira luta do card principal e possivelmente uma das mais aguardadas da noite teve um desfecho inacreditável (com um nocaute de Lyoto Machida sobre Vitor Belfort). Após a luta, Belfort deixou suas luvas no meio do octogono, gesto que simboliza o fim (vitoriosa) carreira de Belfort dentro do UFC (poucos lutadores se mantiveram tanto tempo no topo de sua divisão como Belfort). E por fim, na última luta da noite, pelo cinturão dos Galos Feminino, Amanda Nunes venceu a desafiante Raquel Pennington.

A luta entre Jacaré Souza e Kelvin Gastelum foi eleita a melhor da noite, enquanto que Lyoto Machida e Aleksei Oleinik receberam o bônus de performance da noite.

Notícia surpresa, o UFC decidiu homenagear Mauricio Shogun e Dan Henderson, elegendo a luta entre ambos, no UFC 139, para o Hall-da-Fama da organização. Na ocasião, Henderson venceu Shogun por decisão unânime dos juízes após uma batalha de cinco rounds. A luta foi eleito não só a melhor da noite, como também a melhor do ano.

Card Principal

Amanda Nunes (vencedora; nocaute técnico; 5o Round) vs. Raquel Pennington
Categoria: Galo Feminino

Amanda Nunes manteve o cinturão da divisão dos Galos Feminino ao vencer a desafiante Raquel Pennington no último Round por interrupção do juiz. Pennington mostrou bastante resiliência ao longo da luta, sendo castigada na trocação em pé, onde teoricamente Pennington poderia ter vantagem.

“Eu fiz tudo o que eu treinei. A Rocky é uma atleta duríssima, eu estava preparada para lutar cinco rounds com ela. Me senti confortável durante todos os rounds. Acho que essa luta me ajudou a evoluir, porque foi difícil para mim, a Rocky e a Tecia sao minhas amigas, tive que me preparar mentalmente para isso. Mas isso aqui é a razão da minha vida. Eu sempre sonhei em ser a melhor do mundo. E hoje eu continuo sendo. Amanda Nunes

 

Tive uma lesão na minha última luta que voltou a doer. Vou dar mais atenção para isso agora.” Amanda Nunes

Kelvin Gastelum (vencedor; decisão dividia) vs. Ronaldo “Jacaré” Souza
Categoria: Médios

Em uma luta apertada, com bons momentos de ambos os lados, Kelvin Gastelum venceu por decisão divida (29-28, 28-29, 29-28). Gastelum defendeu bem diversas tentativas de queda e conseguiu absorver bem alguns golpes de Jacaré. Porém, o americano mostrou um pouco mais de atividade na luta em pé. Num bom português, Kelvin pediu uma luta contra o vencedor do embate entre Yoel Romero e Robert Wittaker.

“Eu achei que venci a luta, talvez tenha perdido o segundo round, mas coloquei mais pressão, encaixei bons golpes, levei para o chão. Mas acontece, fazer o que?” Jacaré Souza

 

“Eu esperava vencer, mas queria ter finalizado a luta e garantido a chance de disputar o cinturão. Agora, não sei se ganharei essa oportunidade, mas espero que sim. Eu achei que iria finalizar a luta depois que o derrubei no segundo round. Mas ele é um cara duro, aguentou bastante. A torcida não foi tão receptiva dessa vez, mas ainda assim eu tive apoio depois da vitória.” Kelvin Gastelum

Mackenzie Dern (vencedora; finalização; 1o Round) vs. Amanda Cooper
Categoria: Palha Feminino

Depois de uma semana turbulenta, Mackenzie Dern conseguiu uma ótima vitória contra Amanda “ABC” Cooper. Era uma luta de dois estilos diferentes: Cooper com sua superioridade na trocarão e Mackenzie com seu poderoso jiu-jitsu. Acabou sobressaindo o estilo de Mackenzie, que inclusive conseguiu um knockdown em Cooper. Em seguida, Mackenzie partiu para uma finalização por mata-leão.

“Eu queria acertar alguns socos e fiquei muito feliz de ter tido a possibilidade de mostrar meu ground and pound, mas terminar com a finalização. Ela falou muito, eu sei que não bati o peso, não é algo que me deixa feliz. Eu errei, tomei punição disso, mas ela aceitou a luta. Eu não sou uma pessoa que dá desculpas, eu tentei, não consegui. Mas não vou deixar mais isso acontecer. Mackenzie Dern

 

Eu queria muito ter visto a cara do meu pai durante a luta, ele deve ter ficado muito nervoso. Já não quero ir embora daqui, quero ficar mais tempo. Eu sabia que entrando lá, ganhando ou perdendo, os fãs estariam torcendo por mim. A energia ali dentro é indescritível.” Mackenzie Dern

John Lineker (vencedor; nocaute; 3o Round) vs. Brian Kelleher
Categoria: Galo

Em uma luta dura, de 3 Rounds, John Lineker fez jus ao apelido de “mãos de pedra” e nocauteou Brian Kelleher com um poderoso soco. Linecker mostrou superioridade em todos os rounds, conseguindo um knockdown logo no começo da luta. Porém, Kelleher se mostrou bastante resistente, aguentando firme os socos bem encaixados de Lineker… até o 3o Round.

“A mão voltou a funcionar, estava precisando desse nocaute para fazer valer meu apelido de “Mãos de Pedra”. Estou muito feliz de lutar no Brasil e a torcida ajudou bastante, muita energia dentro da arena. John Lineker

 

Eu gosto de dar um show para o público, é isso que eu faço. Eu não tenho ninguém em mente, quero pegar um Top 5 para me aproximar do título novamente. Porque o objetivo é o título e não é a derrota que sofri para o campeão TJ Dillashaw que vai me impedir de buscar isso.” John Lineker

Lyoto Machida (vencedor, nocaute; 2o Round) vs. Vitor Belfort
Categoria: Médios

Numa primeira luta de card principal que tinha tudo para ser um main ou co-main event, Lyoto Machida venceu Vitor Belford com um nocaute Karatê Kid. O 1o Round houve pouca atividade e muito estudo de ambas as partes. Um empate teria sido o score mais justo. Até que no 2o Round Machida acertou um chute no queixo de Belford, que caiu já apagado. O nocaute foi exatamente igual aquele sofrido por Belfort em sua luta contra Anderson Silva e o mesmo aplicado por Machida contra Randy Couture.

Ao final da luta, Machida desafiou Michael Bisping. “Ainda estou esperando por você cara! Eu quero essa luta. Se você quiser se aposentar, terá que me enfrentar primeiro” vociferou Machida no octógono.

“Quero parabenizar o time do Lyoto e agradecer meu time, meus fãs e minha família. Tudo na vida tem começo, meio e fim. E agora é hora de cuidar da minha família.” Vitor Belfort

 

“Eu treinei muito para essa luta, mas não treinei tanto esse chute frontal. Mas quando você está muito bem treinado, muito bem preparado, você consegue enxergar bem a luta e fazer coisas que você nem treinou. Eu sei que foi muito parecido com o chute que dei no Randy Couture, quando ele se aposentou, com a diferença de que o dele foi de direita e esse foi de esquerda, então pode ser que seja a história se repetindo. Lyoto Machida

 

Vamos esperar o próximo adversário que o UFC vai colocar. Eu gostaria de lutar com o Michael Bisping, é mais uma luta poderia ter acontecido e não aconteceu. Quero lutar mais algumas vezes ano ainda.” Lyoto Machida

Card Preliminar

Na primeira luta da noite, Markus Perez  enfrentou James Bochnovic pela divisão dos médios. Foi uma luta sem grande surpresa. Perez conseguiu uma finalização por mata-leão poucos segundos antes de encerrar o primeiro round.

Em seguida, Alberto Lima encarou Ramazan Emeev pelos meio-médios. Vitória do russo Emeev após decisão unânime dos árbitros (29-27, 29-27, 29-27). Essa foi a primeira e única luta do card preliminar a terminar com decisão da mesa de arbitragem.

Pelos médios, foi a vez de Thales Leites enfrentar Jack Hermansson. O dinamarquês Hermansson conseguiu um nocaute tecnico sobre o brasileiro, porém a luta não foi fácil para ele. Ao final da luta, ainda no octogono, Hermansson alegou ter quebrado uma costela ao sofrer uma queda de Thales ainda no primeiro round.

Depois foi a vez de Warlley Alves enfrentar o russo Sultan Aliev. Favorito, Warlley saiu vitorioso ao obter um nocaute técnico em Aliev no segundo round. O arbitro decidiu encerrar a luta por conta de um grande inchaço no olho de Aliev, após um soco bem aplicado do brasileiro.

Em sequência, Elizeu Zaleski  enfrentou Sean Strickland. Luta rápida, Elizeu Zaleski conseguiu a quinta vitória consecutiva com um bom nocaute após acertar Trickland com um chute alto de capoeira e depois uma sequência de socos.

Pela divisão dos leves, Davi Ramos enfrentou Nick Hein. Superior no jiu-jitsu, Davi Ramos conseguiu reverter o knockdown sofrido logo no inicio da luta e conseguiu uma finalização por mata-leão no final do round.

Pelos pesados, Junior Albini enfrentou Oleksiy Oleinik. Para a decepção dos brasileiros, Albini foi rapidamente finalizado por Oleksiy Oleinik logo no inicio do 1o Round. Albini estava em vantagem em pé e havia caído por cima, mas mesmo assim deu o tap-out.

Em mais uma luta rápida na noite, Cezar “Mutante” Ferreira conseguiu uma boa finalização sobre Karl Roberson ainda no 1o Round. “Borrachinha seu pela-saco (sic)! Não esqueci de você, vou te quebrar todo”, desafiou Mutante.

Torne-se um colaborador do Pós-Luta, ajude-nos a crescer e tenha seu nome no site. Conheça os benefícios de ser um colaborador. APOIA.SE!