UFC

Artigos, UFC

UFC Belém: Machida vence, mas não empolga torcida


UFC Fight Night: Machida vs. Anders
Local: Arena Guilherme Paraense
Público: 10.104 pagantes
Cidade: Belém do Pará
Data: 03/02/2018
Arbitragem: CABMMA (Comissão Atlética Brasileira de MMA)
Promotor: WME-IMG

DSCN0926

O evento de hoje marcou a estréia do UFC na região Norte do país, o berço do “Brazilian Jiu-Jitsu”. Nem a chuva torrencial ao longo de todo o dia impediu o público de comparecer em peso ao ginásio Mangueirinho.

Eryk Anders vs. Lyoto Machida (vencedor)
Categoria: Midleweight 185 lb (Peso médio 84kg)
Resultado: Decisão dividida (48-47, 47-48, 49-46) para Lyoto Machida
Tempo: 5o Round completo
Juiz: Mark Goddard
Árbitros: Guilherme Bravo, Marco Rosales, Tony Weeks
Músicas: Cheguei – Ludmilla  (Machida) / Prepare for Glory – Human Resource (Anders)
Patrocínio Reebok: Anders (TBA) / Machida (TBA)
Suspensão Médica: Anders (TBA) / Machida (TBA)

Em uma luta com resultado polêmico, Lyoto Machida venceu Eryk Anders por decisão dividida dos árbitros (48-47, 47-48, 49-46). Lyoto começou bem o primeiro round, aplicando bons chutes baixos (inclusive a perna de Anders chegou a ficar com as marcas dos chutes), mas a partir do segundo round a luta começou a ir para outro lado. Depois de sofrer um corte profundo no rosto, Lyoto começou a circular mais pelo octógono de forma a evitar a todo custo um contato mais direto e contundente de Anders, que também pouco arriscava. A luta chegou ao último round muito provavelmente em um empate, e os árbitros viram mais vontade de Lyoto, que saiu vencedor.

Para Lyoto, vencer foi um alívio. Nas últimas 8 lutas, Machida havia perdido 5 e ganhado apenas 3. Três dessas derrotas haviam sido consecutivas, então vencer Anders era uma questão de sobrevivência na organização. A própria música de entrada escolhida por ele (Cheguei da cantora Ludmilla) refletia isso. Ainda no octógono, Machida manifestou interesse de lutar com Michael Bisping.

“Foi uma luta dura, mas acho que eu a controlei, encaixei mais golpes. Ele manteve a pressão, mas eu acho que é o caso de quem encaixa mais golpes. Sempre há dúvida sobre o resultado quando a luta vai para decisão, você nunca sabe como os juízes vão analisar a luta. Sobre o Michael Bisping, é uma luta que já deveria ter acontecido, acho que ambos amadurecemos junto nesse esporte e uma luta entre nós faz sentido. Eu não quero estar nesse esporte apenas para participar, eu quero estar nesse esporte para vencer.”

 

Lyoto Machida.

Valentina Shevchenko (vencedora) vs. Priscila Cachoeira
Categoria: Womans Flyweight 116 lb (Peso mosca feminino 57kg)
Resultado: Finalização (mata-leão)
Tempo: 4min25 do Segundo Round
Juiz: Mario Yamasaki
Árbitros: Guilherme Bravo, Marco Rosales, Joseph Terrel
Músicas: ?? (Shevchenko) / ?? (Cachoeira)
Patrocínio Reebok: Shevchenko (TBA) / Cachoeira (TBA)
Suspensão Médica: Shevchenko (TBA) / Cachoeira (TBA)

Valentina Shevchenko atropelou sua rival, a brasileira Priscila “Pedrita” Cachoeira, vencendo-a logo no segundo Round por finalização. Logo no começo da luta, Shevchenko aplicou bons socos que acertaram em cheio a brasileira. Nitidamente atordoada, Cachoeira acabou caindo e ficou por baixo, com Shevchenko em posição de crucifixo invertido. A partir daí foi um banho de sangue, com vários golpes sendo desferidos no rosto da brasileira. No segundo round o mesmo ocorreu. Depois de tanto bater, Shevchenko encontrou espaço para uma finalização.

Foi um verdadeiro passeio de Shevchenko que mostrou que está mais do que pronta para uma eventual disputa de cinturão. A decisão de Mario Yamasaki em não encerrar a luta rapidamente, quando Shevchenko impunha bastante danos à Cachoeira, deixou Dana White enfurecido. “Mario Yamasaki não deveria pisar o pé no octógono jamais”. Nas arquibancadas, a própria torcida, que tende a preferir que o juíz não encerre as luta rapidamente, pedia por uma interrupção.

Logo após a luta, Dana White não polpou duras criticas à Yamasaki:

Priscilla Cachoeira, você mostrou muito coração e bravura na luta. Estou honrado de você lutar no UFC. Infelismente o arbitro está lá para te proteger e ele não fez isso. Esta não é sua primeira performance lamentável no octógono. Outra infelicidade é que é que eu não posso fazer nada a respeito, apenas a comissão brasileira pode e eu espero que após essa horenda e incopetente apresentação ele nunca mais colocará os pés no octógono de novo. Foram 230 golpes desferidos contra 3 (de Cachoeira).

 

Dana White

“Eu estava preparada para tornar a luta fácil porque sei que não existe luta fácil, você precisa treinar muito para tornar uma luta fácil. Eu acho que a coisa mais legal sobre a minha performance no peso-mosca é que eu continuo forte como era no peso-galo, mas duas vezes mais rápida. Desde o começo eu disse que não me importava que a Priscila fosse uma novata, eu lutarei com qualquer pessoa e às vezes essa pessoa pode ser novata. Priscila tem todo um futuro na frente dela. Eu agora espero poder lutar pelo cinturão.”

 

Valentina Shevchenko

Michel Prazeres (vencedor) vs. Desmond Green
Categoria: Catchweight 161 lb (Peso casado 52kg)
Resultado: Decisão unânime (30-27, 29-28, 29-28)
Tempo: Terceiro Round completo
Juiz: Mark Goddard
Árbitros: Guilherme Bravo, Phillipe Iorio, Tony Weeks
Músicas: ?? (Prazeres) / ?? (Green)
Patrocínio Reebok: Prazeres (TBA) / Green (TBA)
Suspensão Médica: Prazeres (TBA) / Green (TBA)

Em uma luta eletrizante, Michel Prazeres e Desmond Green chegaram ao último round com o resultado praticamente empatado. Venceu que mostrou maior vontade durante a luta, Michel Prazeres, que levou por decisão unânime dos árbitros (30-27, 29-28, 29-28).

A luta foi polêmica. Prazeres não conseguiu bater o peso no dia da pesagem (a quarta vez consecutiva que isso acontece) e a luta esteve próxima de ser cancelada. A confirmação da luta ocorreu horas antes do evento. O time de Prazeres alegou problemas com a àgua do hotel para o lutador fazer a sauna para perder peso.

“Foi uma luta dura. Eu estava um pouco abatido por conta de tudo o que aconteceu, não estava tão inspirado. Foi uma semana conturbada, até antes da luta. Eu estava preocupado com tudo e não queria deixar de dar um show para o público do Pará.”

 

Michel Prazeres

Timothy Johnson (vencedor) vs. Marcelo Golm
Categoria: Heavyweight 265 lb (Peso pesado 120kg)
Resultado: Decisão unânime (30-27, 29-28, 29-28)
Tempo: Quinto Round completo
Juiz: Osiris Maia
Árbitros: Phillipe Iorio, Marco Rosales, Joseph Terrell
Músicas: Money For Nothing (Johnson) / Its So Deep – NIS (Golm)
Patrocínio Reebok: Johnson (TBA) / Golm (TBA)
Suspensão Médica: Johnson (TBA) / Golm (TBA)

Na luta menos empolgante da noite, Marlo Gol e Timothy Johnson levaram a luta para o confronto para a decisão dos árbitros. No geral, foi uma luta fraca, onde ambos os lutadores mostraram pouca disposição para entregar uma boa luta para os fãs. Ao final, vitória de Timothy Johnson por decisão unânime (30-27, 29-28, 29-28) dos arbitros.

“Eu queria ter sido um lutador mais empolgante, mas posso garantir que eu e Marcelo nos esforçamos muito ali dentro. Eu lutei de forma segura, não poderia correr o risco de perder duas seguidas. Ele me balançou algumas vezes, eu o balancei algumas vezes. O Marcelo será um grande oponente dentro da divisão dos pesados, ele ainda é um garoto. Eu espero acompanhar sua carreira no futuro.”

 

Tim Johnson

Thiago Santos (vencedor) vs. Anthony Smith
Categoria: Midleweight 185 lb (Peso médio 84kg)
Resultado: Nocaute técnico
Tempo: 1min23 do Segundo Round
Juiz: Mark Goddard
Árbitros: Marco Rosales, Tony Weels, Joseph Terrell
Músicas: ?? (Marreta) / Energy – Drake (Smith)
Patrocínio Reebok: Marreta (TBA) / Smith (TBA)
Suspensão Médica: Marreta (TBA) / Smith (TBA)

Depois de um primeiro round eletrizante, Thiago Marreta desceu, literalmente, a marreta sobre Anthony Smith. Com um poderoso soco no corpo de Smith e depois uma sequência de golpes, Marreta conseguiu a vitória no segundo round por TKO. Na entrevista ainda no octógono, Marreta pediu nomes de mais expressão para os próximos combates. A torcida, lógico, foi ao delírio com o comentário.

“Foi uma guerra, eu sabia que ele era um cara muito resistente, duro, não esperava nada diferente. Mas eu falei que ia machucar ele até ele nao aguentar mais, entao eu fui lá e fiz. É minha quarta vitoria consecutiva com nocaute, eu sou um dos maiores nocauteadores da minha categora. Eu mereço uma oportunidade. Tive uma com o Mousasi, mas com pouco tempo de preparação. Quero um bom nome e que eu possa me preparar para ele. Gostaria de um dos Top 6: Whitaker, Rockhold, Weidman, aceito qualquer um desses.”

 

Thiago Santos, o “Marreta”

Douglas Silva de Andrade (vencedor) vs. Marlon Vera
Categoria: Bantamweight 135 lb (Peso médio 61kg)
Resultado: Decisão unânime (30-27, 30-27, 30-27)
Tempo: Quinto Round completo
Juiz: Camila Albuquerque
Árbitros: Guilherme Bravo, Tony Weeks, Joseph Terrell
Músicas: Impossivel – Jamily (D’Silva) / ?? (Vera)
Patrocínio Reebok: D’Silva (TBA) / Vera (TBA)
Suspensão Médica: D’Silva (TBA) / Vera (TBA)

Luta empolgante, round após round Douglas Silva de Andrade foi ganhando confiança e mostrando superioridade na luta. Os juizes deram vitória unânime para o brasileiro (30-27, 30-27, 30-27).

“Foi uma guerra, mas uma guerra que eu venci. Eu tinha que manter a distância e esperar os golpes dele para contra-atacar. Mas consegui manter a estratégia que montei com meu time e saí com a vitória. Não tenho palavras para falar da emoção de lutar em casa e vencer em casa. Torna tudo maior e mais especial.”

 

Douglas Silva

Notícias, UFC

UFC e Canal Combate lançam série documental


O UFC, o Combate e a Academia de Filmes se reuniram para produzir a série documental “Espírito da Luta”, que estreia no canal no próximo dia 10 de julho na faixa sessão Combate. Durante três episódios, que serão exibidos semanalmente no Combate às segundas, às 20h, o público poderá conhecer a origem das artes marciais e o contexto em que o MMA foi criado. Os episódios, dirigidos pelos cineastas João Wainer, Paulo Caldas e Tadeu Jungle, também trazem imagens de arquivo de grandes confrontos, entrevistas com atletas, fãs de artes marciais e depoimentos dos fundadores do UFC.

O documentário de estreia, “12 de novembro”, é dirigido por João Wainer e conta a história da criação do primeiro evento de MMA, o UFC 1, ocorrido na data. Com animações, locuções e entrevistas com Art Davie e Rorion Gracie, criadores do campeonato, o público pode acompanhar a ordem cronológica do surgimento do maior evento de MMA atualmente e fenômeno mundial. O documentário promove ainda um encontro inédito entre Royce Gracie e Art Jimmerson que assistem juntos e relembram curiosidades sobre o confronto entre eles.

O cineasta Paulo Caldas é o responsável pelo documentário exibido na segunda semana, no dia 17 de julho. “Paixão e Luta” mostra como diferentes etnias ao redor do mundo compartilham histórias e sua paixão pelo esporte. A produção acompanhou a preparação e expectativa de diferentes torcedores em lutas decisivas de grandes ídolos do esporte como José Aldo, Conor Mcgregor e Nate Diaz. As filmagens também visitaram fãs de MMA nas Filipinas, Irlanda, Irlanda do Norte, Estados Unidos e Brasil.

O último documentário da temporada é “Terra da Luta” de Tadeu Jungle, exibido no dia 24 de julho. O diretor apresenta artes marciais praticadas em diferentes comunidades como a luta Huka-Huka, original das tribos indígenas Kamayurá, e a luta Marajora, típica de Soure, na Ilha de Marajó no Pará. Também faz parte do documentário uma visita a Salvador para entrevistas com personagens importantes como Mestre Itapuã e Mestre Nenel para investigar as origens da principal luta praticada no Brasil, a capoeira. “Espírito da Luta” é uma coprodução de Academia de Filmes, UFC e Combate.

Ult. Fighter/Gracie

Sobre os diretores:

João Wainer
Diretor e fotógrafo. Passou pelos jornais Folha de S. Paulo e Jornal da Tarde. Dirigiu os documentários “JUNHO – O mês que abalou o Brasil” e “PIXO” sobre o fenômeno da pichação em São Paulo. Assinou a direção de fotografia dos documentários Xpress (2009, MTV internacional / UNICEF) e na série Chico Buarque (2006/2007, TV Bandeirantes / Multishow).

Paulo Caldas
É diretor e documentarista. Codirigiu com Lírio Ferreira “Baile Perfumado” (1997), vencedor do Festival de Brasília. Escreveu o roteiro de “Cinema, Aspirinas e Urubus” (2005), em parceria com Marcelo Gomes e Karim Aïnouz, dirigido por Gomes. O longa foi selecionado para a mostra Um Certo Olhar, do Festival de Cannes e vencedor do prêmio especial do júri no Festival do Rio.

Tadeu Jungle
É um artista multimídia. Entre outros trabalhos, dirigiu os curtas-metragens em VR “Fogo na Floresta” (2017) e “Rio de Lama” (2016), o longa- metragem “Amanhã Nunca Mais” (2011), e codirigiu o documentário “Evoé – Retrato de um Antropófago”, sobre Zé Celso Martinez Corrêa, criador do Teatro Oficina, entre outros projetos.

Torne-se um colaborador do Pós-Luta, ajude-nos a crescer e tenha seu nome no site. Conheça os benefícios de ser um colaborador. APOIA.SE!

Notícias, UFC

Sem Anderson Silva, o UFC retorna ao Rio


O UFC 212 marca a volta do maior evento de MMA do Mundo ao Brasil, no dia 3 de Junho na Arena Jeunesse, Rio de Janeiro. A última edição do evento na capital fluminense foi há dois anos na edição 193 que consagrou a vitória de Ronda Rousey contra Bethe Correia. O evento atual marca um fato inusitado na história do Ultimate. O brasileiro Anderson Silva, cortado do card, incentivou seus fãs a pedirem dinheiro do ingresso de volta, fato este que causou desconforto entre os executivos do UFC, incluindo o chefão Dana White, que soltou o verbo para repreender o atleta brasileiro. Mesmo com a maior estrela brasileira fora, o evento deverá ter casa cheia. Até o momento (20/05) grande parte dos ingressos foram vendidos, restando apenas poucos lugares nos setores “Octógono Premium” e “Cadeiras”, os mais caros da arena.

O evento será realizado na Jeunesse Arena, também conhecida como HSBC Arena ou Arena Olímpica. A moderna arena localizada na Barra da Tijuca foi palco das competições de Ginástica dos Jogos Olímpicos do Rio em 2016, amistosos da NBA além de ter sido palco de inúmeros artistas como Beyonce, Paul McCartney e Elton John. A empresa de cosméticos Jeunesse adquiriu recentemente o ‘naming right’ da Arena por três anos.  Com capacidade para cerca de 14.000 pessoas a Jeunesse Arena já recebeu cinco edições do UFC, a última em 2015 no UFC 193. As outras três passagens do Ultimate na cidade foram no Ginásio do Maracanãzinho.

As redes hoteleiras no entorno da região já estão com todas as reservas esgotadas e a expectativa é grande principalmente pela luta principal da noite; o campeão linear José Aldo enfrentará o campeão interino Max Holloway pela unificação do cinturão da categoria Peso-pena. O “campeão do povo” José Aldo se apresenta novamente na cidade que o coroou três vezes. Aldo recuperou o cinturão do Peso-pena em 2016 após derrotar Frankie Edgar, por decisão unânime, agora terá que unificá-lo nessa luta eletrizante.

O co-main evento, segunda luta principal da noite, será entre a brasileira Claudia Gadelha e a polonesa Karolina Kowalkiewicz pelo peso palha feminino, categoria que tem como detentora do cinturão, a também polonesa Joanna Jedrzejczyc. O card também marcará a aposentadoria de Vitor Belfort, que enfrenta Nate Marquardt pelo peso médio.

Quando o evento se encerrar na madrugada do dia 4, a cidade do Rio de Janeiro será, sem dúvida, a maior beneficiada, independente do desempenho dos brasileiros no evento. Em meio a maior crise de sua história, qualquer evento que ajude a movimentar a economia da cidade maravilhosa é bem visto. A expectativa da organização é que o evento seja bem sucedido. Cerca de 20% da receita gerada com ingressos está sendo revertida em marketing do próprio evento – a ação mais recente foi o “Tour das Letras”, onde o UFC levou sua marca para os principais pontos turísticos do Rio de Janeiro. Embora a expectativa de sucesso seja grande não está nem perto da febre que viveu a cidade em 2011, quando o UFC retornou ao Brasil depois de 15 anos de ausência, naquela ocasião o evento trouxe aos cofres da cidade cerca de R$90 milhões em investimentos e turismo. Dentro do octógono a expectativa são as melhores possíveis. Aldo e Holloway pretendem definir quem é o campeão de fato da categoria.

Torne-se um colaborador do Pós-Luta, ajude-nos a crescer e tenha seu nome no site. Conheça os benefícios de ser um colaborador. APOIA.SE!

UFC

Ingressos para o UFC Fortaleza


O Ultimate anunciou que os ingressos para o UFC Fight Night: Belfort x Gastelum começarão a ser vendidos no dia 18 de janeiro de 2017, com preços a partir de R$ 75. O evento será realizado no dia 11 de março de 2017, em Fortaleza, e os fãs poderão adquirir seu ingresso pelo site Tudus.

Invicto nos duelos principais que fez pelo Ultimate no Brasil, Vitor Belfort terá a oportunidade de adicionar mais um triunfo ao currículo contra Kelvin Gastelum. Aos 39 anos, o veterano já lutou sete vezes pelo UFC no Brasil, sendo derrotado apenas por Ronaldo Jacaré no UFC 198, em maio de 2015. Belfort um cartel de 25 vitórias e 12 derrotas, e atualmente ocupa o oitavo lugar do ranking da categoria peso-médio.

Já Gastelum foi o vencedor do TUF 17 ao bater Uriah Hall na decisão do reality, em 2013. O lutador possui 14 triunfos e duas derrotas no cartel, vindo de vitórias sobre Johny Hendricks e Tim Kennedy. Além da luta entre os médios, os pesos-leves Edson Barboza e Beneil Dariush também estão confirmados no card. Confira os setores e valores de ingressos para o UFC Fortaleza:

Cadeira Superior – R$ 150 (inteira) / R$ 75 (meia)
Cadeira (B) – R$ 220 (inteira) / R$ 110 (meia)
Cadeira (A) – R$ 320 (inteira) / R$ 160 (meia)
Cadeira Especial – R$ 450 (inteira) / R$ 225 (meia)
Cadeira Premium – R$ 600 (inteira) / R$ 300 (meia)
Octógono Premium – R4 850 (inteira) / R4 425 (meia)

Fonte: ufc.com.br

precosfortaleza

Torne-se um colaborador do Pós-Luta, ajude-nos a crescer e tenha seu nome no site. Conheça os benefícios de ser um colaborador. APOIA.SE!