Artigos

UFC desembarca no Chile


1200px-Movistar_Arena_4
Movistar Arena, no Chile

A tão aguardada estreia do UFC® no Chile já tem data marcada. No dia 19 de maio, o Octógono mais famoso do mundo desembarca em terras chilenas na Arena Movistar, em Santiago, com um card repleto de estrelas e atletas locais, como o peso-galo Diego Rivas. Esse será também o primeiro evento da organização na América do Sul fora do Brasil.

Para marcar a chegada do UFC a Santiago, a organização inicia nesta quarta-feira, dia 28, o “Tour das Letras” pela capital chilena. Nos próximos dois meses, as letras gigantes do UFC estarão expostas por pontos turísticos da cidade para esquentar o clima entre os fãs e garantir ótimas fotos. Eles também podem esperar uma agenda cheia durante a semana de luta em maio, com participação de atletas-convidados do UFC.

A estreia do UFC no Chile já conta com cinco lutas confirmadas que prometem empolgar os fãs. Pelo peso-galo, dois participantes do The Ultimate Fighter: América Latina de 2016 se reencontram buscando retomar o caminho da vitória. Em casa, Diego Rivas  (7-1) enfrenta o argentino Guido Cannetti (7-3).

Rivas, o Pitbull, vinha em uma sequência invicta no MMA até 2016, que teve seu ápice em um nocaute impressionante sobre Noad Lahat que lhe rendeu o bônus de Performance da Noite no UFC Fight Night Hendricks vs. Thompson. Sua sequência foi parada quando em uma consulta para checar uma lesão no joelho, Rivas foi diagnosticado com câncer no testículo. Após uma cirurgia e quimioterapia, o chileno voltou ao Octógono para enfrentar o mexicano Jose Quinonez, em agosto de 2017, mas acabou derrotado por decisão unânime. Agora, contando com o apoio da torcida no Chile, Diego espera voltar a vencer, mas não terá tarefa fácil contra o “Ninja” Guido Cannetti.

Apesar de vir de derrota contra Kyung Ho Kang em janeiro deste ano, Cannetti é conhecido pelo seu poder de finalizar lutas ainda no primeiro round. Apenas uma de suas 7 vitórias chegou pelas mãos dos juízes e o argentino tem até mesmo um nocaute com 11 segundos de luta. Em sua quarta luta no UFC, Guido espera estragar a festa da torcida chilena.

No dia 19 de maio, também ficarão frente a frente duas promessas do peso meio-médio. Vindo de uma vitória por finalização em outubro, o brasileiro Vicente Luque (12-6-1) enfrenta o canadense Chad Laprise (14-2), que vem embalado por uma série de três vitórias.

Luque vinha de quatro vitórias consecutivas, duas delas por finalização e duas por nocaute, até ser derrotado por Leon Edwards por decisão unânime. O ‘Silent Assassin’ conseguiu se recuperar vencendo Niko Price por finalização em outubro do ano passado. Do outro lado do Octógono, estará o campeão do The Ultimate Fighter Nations: Canadá vs Austrália. Laprise vem de três nocautes, o mais recente sobre Galore Bofando em dezembro e, assim como Luque, espera que uma nova vitória o coloque entre os Top 15 do peso meio-médio.

As mulheres também marcarão presença na Arena Movistar. A nº 10 no ranking peso-palha Alexa Grasso (10-1) enfrenta a nº 15 Tatiana Suarez (6-0). Após uma vitória sobre Randa Markos em agosto, Grasso espera emplacar uma sequência positiva na divisão, enquanto a campeã do The Ultimate Fighter 23 deseja manter sua invencibilidade no MMA.

Pela recém-criada divisão peso-mosca, a venezuelana Veronica Macedo (5-1-1) encara a estreante Andrea Lee (8-2), que vem de uma sequência de quatro vitórias. Uma das atletas mais jovens do UFC com apenas 22 anos, Macedo começou sua carreira profissional no MMA em 2016, ano em que também fez sua estreia no UFC contra Ashlee Evans-Smith. Em sua segunda luta no UFC, Veronica dará as boas-vindas a Andrea Lee. A KGB é uma das promessas da nova divisão e chega embalada por quatro vitórias, duas delas por finalização e uma por nocaute.

Fechando as lutas confirmadas até o momento para o UFC Chile, a brasileira Poliana Botelho (5-1) mede forças contra a japonesa Syuri Kondo (6-0). Botelho e Kondo vivem momentos parecidos na organização. As duas fizeram suas estreias no UFC no ano passado com vitórias por decisão e têm o mesmo objetivo: se firmar na divisão peso-palha.

Torne-se um colaborador do Pós-Luta, ajude-nos a crescer e tenha seu nome no site. Conheça os benefícios de ser um colaborador. APOIA.SE!

Artigos

UFC On Fox 28: o melhor evento do ano!


Quem pode assistir todas as lutas do UFC on Fox 28 em Orlando, Florida (Estados Unidos) conferiu um dos, se não “o”, melhor evento do ano. Tanto o card preliminar como o card principal foram repletos de boas lutas, com direito a nocaute-técnico (Alvey, Jouban), finalizações (Latifi, Yahya…), comebacks (Marion Reneau) e zebras (Griffin). Dificil até escolher uma luta preferida dentre tantos ótimos combates! Destaques da noite, Jessica Andrade após vitória incontestável sobre Tecia Torres se gabaritou para disputar o cinturão da divisão peso-palha feminino. Latifi não ficou atrás e já pediu uma disputa com Cormier pelos meio-pesados.

step
Stephens bota pra dormir Josh Emmett com um poderoso KO!

Card Principal

Josh Emmett vs. Jeremy Stephens (vencedor; nocaute; 2o Round)

Jeremy Stephens conseguiu uma vitória avassaladora sobre Josh Emmett por nocaute no 2o Round.  No começo da luta Emmett levava uma ligeira vantagem, mas foi pego por um gancho de esquerda que o botou para baixo. Stephens deu inicio então a um violento ground and pound . Emmett não resistiu e foi nocauteado.

Jessica Andrade (vencedora; decisão) vs. Tecia Torres 

Melhor luta da noite, Jessica Andrade e Tecia Torres proporcionaram um verdadeiro espetáculo os fãs de MMA. Após começar o round melhor, Tecia Torres foi aos poucos diminuindo o ritmo ao mesmo tempo que Andrade aumentava o seu volume de jogo e seu controle sob o octógono.

Jessica Andrade saiu da luta como favorita para disputar o cinturão após a defesa do título Rose Namajunas contra Joanna_Jędrzejczyk no UFC 223.

jessica
Jessica Andrade arremessa Tecia Torres

Ovince Saint Preux vs. Ilir Latifi (venedor; finalização; 1o Round)

Ovince Saint Preux e Ilir Latifi era uma luta bastante interessante. Ambos tinham (tem) um wrestling forte, mas acreditavamos que a luta pudesse terminar em uma trocação franca entre os dois com vantagem para OSP, melhor striker. Ledo engano, Latifi conseguiu uma vitória brutal logo no começo do 1o round. Depois de aplicar um knockdown sobre OSP, Latifi partiu desesperadamente para cima procurando uma brecha para finalizar a luta e conseguiu. Vitória de Latifi por finalização (guilhotina) logo nos primeiros minutos do 1o round.

Ao final, ainda no octógono, sobrou para Daniel Cormier. Latifi exigiu uma disputa pelo cinturão contra Cormier. Na transmissão para os Estados Unidos, Cormir disse ainda ser cedo para Latifi desafia-lo. “Não é o momento” disse Cormier.

Mike Perry vs. Max Griffin (vencedor; decisão)

Favorito na luta, o local Mike Perry não conseguiu uma boa performance contra Max Griffin. Perry sofreu um corte na cabeça logo no começo do primeiro round. No round seguinte um knockdown sofrido por Perry quase pôs fim a luta. No último round, mesmo  uma recuperação de Perry não foi capaz de mudar o resultado final da luta. Griffin obteve vitória unânime (29-27×2, 30-27) dos juízes.

Essa foi a segunda derrota consecutiva de Perry que havia perdido para o argentino Santiago Ponzenibio por decisão dos juizes no UFC on Fox: Lawler vs. dos Anjos.

Card Preliminar

Repleto de boas lutas, o card preliminar deste evento foi eletrizante. Na primeira luta da noite, o estreante no UFC, Manny Bermudez finalizou (por guilhotina) Albert Morales logo no começo do 2o Round. Na primeira luta de um brasileiro no card preliminar, Yahya deu uma aula de jiu-jitsu no norte-american Russel Doane. Depois de um controle total no 1o round, Yahya repetiu a dose e de tanto tentar, conseguiu uma boa finalização (por triângulo de braço) no final do 2o round.

Na melhor luta do card preliminar, Sam Alvey conseguiu um nocaute técnico por socos sobre Marcin Prachnio logo no 1o round. Prachnio pareceu subestimar o poder de nocaute de Alvey e partiu pra um trocação franca logo após sofrer um knockdown. O Resultado não poderia ser outro, Prachnio caiu já quase inconsciente após outro golpe de Alvey e o juíz encerrou a luta.

Em outra luta sensacional, Marion Reneau conseguiu uma reviravolta inacreditável. Após perder de maneira contundente (um verdadeiro passeio de MacMann) o 1o round, Reneau conseguiu pegar Sara McMann em uma finalização por triângulo logo no inicio do 2o round. Outro destaque da noite, Alan Jouban conseguiu vitória por nocaute técnico contra Ben Saunders no 2o round. Por outro lado, na luta “menos” empolgante, Alex Perex obteve vitória por decisão unânime dos juízes (30-27 x3) contra o favorito, Eric Shelton. Em outra luta “fraca”, Angela Hill obteve vitória por decisão sobre Maryna Moroz.

Encerrando o card preliminar, Renan Barão perdeu por pontos (30-27×2, 29-28) para Brian Kelleher. Barão foi praticamente salvo pelo gongo no final do 3o Round ao ser pego por vários socos consecutivos em sua cabeça. Na entrevista pós-luta, Kelleher elogiu a capacidade de Barão em alguentar tantos golpes. Triste ver Barão, que já foi considerando o melhor lutador peso por peso do UFC e o atleta mais temido de sua divisão acumular tantos reveses consecutivos (foram 5 derrotas nas últimas 7 lutas de Barão).

Torne-se um colaborador do Pós-Luta, ajude-nos a crescer e tenha seu nome no site. Conheça os benefícios de ser um colaborador. APOIA.SE!

Artigos

UFC 221: Romero nocauteia Rockhold mas não leva o cinturão


Na luta principal da noite, Yoel Romero venceu Luke Rockhold por nocaute no terceiro round. Apesar da vitória, Romero não levou o cinturão interino dos médios para casa. Isso porque ele não conseguiu bater o peso limite da categoria na pesagem de sexta-feira. Por outro lado, Romero se gabaritou para enfrentar Robert Whittaker pela disputa do cinturão linear da divisão dos médios. No co-main event da noite, o veterâno Mark Hunt foi derrotado (decisão unânime) pela promessa dos pesados Curtir Blaydes. Depois de sofrer um knockdown a estratégia de Blaydes era apenas uma: evitar a todo custo trocar em pé com Hunt. Mas, a polêmica da noite foi, sem dúvida, o jogo sujo de Li Jingliang. O chinês, em uma tentativa desesperada de sair de uma guilhotina, enfiou os dedos acintosamente no olho de Jake Matthews. O lance não rendeu nem uma advertência por parte do juíz. Favorito, Jingliang perdeu a luta por pontos.

image3
Romero da um beijo no queixo de Rockhold, após nocaute-lo

Yoel Romero (vencedor, nocaute, 3o Round) vs. Luke Rockhold

Yoel Romero conseguiu uma vitória incrivel por nocaute sobre Luke Rockhold no terceiro round. Rockhold saiu na frente no primeiro round, mas a partir do segundo Romero passou a adotar uma estratégia mais comedida, com picos de explosão sobre Rockhold, seguidos de um longo período sem atividade nenhuma para se recuperar. Na metade do segundo Round, em mais uma explosão para cima de Rockhold, Romero acertou um soco direto no queixo do norte-americano, conseguindo um belo nocaute.

Apesar de ter vencido, Romero não levou o cinturão interino dos médios. Isso porque o cubano não conseguiu bater seu peso (185 libras ou 83,9 kg). Romero ainda perdeu 20% de sua bolsa.

Mark Hunt vs. Curtis Blaydes (vencedor; decisão unânime)

No co-main event, Curtis Blaydes não deu ouvidos para as vaias e impôs sua estratégia contra o veterâno Mark Hunt. Depois de sofrer um knockdown e quase se complicar, Blaydes percebeu que ir para a trocação com o brigador de rua neo-zelandês não seria uma estratégia inteligente. A partir do final do primeiro round Blaydes desistiu da trocação e passou a focar no jogo de chão, tentando (e conseguindo) derrubar Hunt por diversas vezes. No chão, Blaydes (sempre por cima) mostrou superioridade. Pesou contra Hunt sua idade já avançada (43 anos). Era nítido o cansaço de Hunt logo no começo do segundo round. No final, Blaydes venceu por decisão unânime (30-26×2, 29-27).

Tai Tuivasa (vencedor; nocaute técnico; 1o Round) vs. Cyril Asker

Atleta da casa, Tuivasa atropelou Cyril Asker logo no primeiro round! Foram diversas cotoveladas e socos aplicados no rosto de Asker, que nem sequer conseguiu se defender. Tuivasa fez o peso-pesado Asker parecer um amador de tão contundente a vitória.

Jake Matthews (vencedor; decisão unânime) vs. Li Jingliang

Jake Matthews intrerrompeu uma sequência de 4 vítórias consecutivas (das quais, as 2 últimas foram premiadas como lutas da noite) do chinês Li Jingliang ao vencer por decisão unânime. Ambos os lutadores mostraram bastante vontade durante a luta, para a felicidade dos presentes na arena.

Abaixo, a cena mais polêmica da noite. Jingliang no segundo Round em uma tentativa desesperada de sair de uma guilhotina, enfiou os dedos acintosamente no olho de Matthews. O lance não rendeu nem uma advertência por parte do juíz. A cena rendeu boas vaias para Jingliang ao final da luta quando mostraram a cena no telão.

image
Jingliang enfia os dedos no olho do rival para e defender de uma guilhotina

Tyson Pedro (vencedor; finalização por Kimura; 1o Round) vs. Saparbek Safarov

Tyson Pedro obteve uma vitória sensacional por finalização logo no primeiro Round. O primeiro round já se encaminhava para seu fim, com uma leve vantagem para Pedro, quando Safarov acabou sendo finalizado por uma kimura muito bem aplicada.

Card preliminar

O card preliminar do UFC 221 teve bastante empolgação. Todas as três primeiras lutas do card, tramitidas pelo UFC Fight Pass, terminaram por decisão dos árbitros. Em uma boa luta, bem movimentada, Luke Jumeau venceu o japonês Daichi Abe por decisão unânime (29-28, 29-27, 28-27). Jose Quinonez venceu a promessa asiática da organização, Teruto Ishihara, também por decisão unânime (30-27, 29-28 x2). Ishihara estreava na divisão peso Galo, após uma performance não muito positiva na divisão de cima.  O destaque negativo ficou por conta da luta de Ross Pearson contra Mizuto Hirota. Bem morna, sem muita atividade, Pearson conseguiu vencer Hirota por decisão unânime dos árbitros (30-27 x2, 29-28). Já veterâno no esporte, com cerca de 35 lutas na carreira, Pearson vinha de quatro derrotas consecutivas. Essa vitória de hoje apenas atrasou a aposentadoria do inglês.

Nas quatro lutas seguintes, exibidas no Fox Sports 1, outra sequência de boas exibições. O brasileiro Jussier Formiga obteve uma excelente vitória sobre Ben Nguyen através de uma finalização por mata-leão no 3o Round. Após um soco giratório certeiro, Formiga caiu por cima de Nguyen e foi para as costas do adversário que acabou desacordado com a finalização. Outro destaque positivo desse card preliminar foi a estréia de Israel Adesanya na organização. Após perder o 1o Round, Adesanya aproveitou o cansaço de Rob Wilkinson e partiu para uma sequência diversificada de golpes ao melhor estilo Jon Jones (muito parecido fisicamente com Adesanya inclusive). Resultado final: nocaute técnico de Adesanya sobre Rob Wilkinson. Alexander Volkanovski contra Jeremy Kennedy foi outra excelente luta. Menor, Volkanovski impôs seu jogo de chão sobre Kennedy, que em nossa contagem perdeu o primeiro round por 8-10 e perderia o próximo pela mesma pontuação se não fosse a interrupção do juiz que deu vitória por nocaute técnico a Volkanovski. Na última luta do card preliminar, vitória de Dong Hyun Kim sobre Damien Brown por decisão unânime dos árbitros (29-28 x3).

Abaixo, foto de Israel Adesanya, destaque do card preliminar.

image1
Adesanya estreia bem no UFC 221. Seria o novo Jon Jones?

 

Torne-se um colaborador do Pós-Luta, ajude-nos a crescer e tenha seu nome no site. Conheça os benefícios de ser um colaborador. APOIA.SE!

Artigos, UFC

UFC Belém: Machida vence, mas não empolga torcida


UFC Fight Night: Machida vs. Anders
Local: Arena Guilherme Paraense
Público: 10.104 pagantes
Cidade: Belém do Pará
Data: 03/02/2018
Arbitragem: CABMMA (Comissão Atlética Brasileira de MMA)
Promotor: WME-IMG

DSCN0926

O evento de hoje marcou a estréia do UFC na região Norte do país, o berço do “Brazilian Jiu-Jitsu”. Nem a chuva torrencial ao longo de todo o dia impediu o público de comparecer em peso ao ginásio Mangueirinho.

Eryk Anders vs. Lyoto Machida (vencedor)
Categoria: Midleweight 185 lb (Peso médio 84kg)
Resultado: Decisão dividida (48-47, 47-48, 49-46) para Lyoto Machida
Tempo: 5o Round completo
Juiz: Mark Goddard
Árbitros: Guilherme Bravo, Marco Rosales, Tony Weeks
Músicas: Cheguei – Ludmilla  (Machida) / Prepare for Glory – Human Resource (Anders)
Patrocínio Reebok: Anders (TBA) / Machida (TBA)
Suspensão Médica: Anders (TBA) / Machida (TBA)

Em uma luta com resultado polêmico, Lyoto Machida venceu Eryk Anders por decisão dividida dos árbitros (48-47, 47-48, 49-46). Lyoto começou bem o primeiro round, aplicando bons chutes baixos (inclusive a perna de Anders chegou a ficar com as marcas dos chutes), mas a partir do segundo round a luta começou a ir para outro lado. Depois de sofrer um corte profundo no rosto, Lyoto começou a circular mais pelo octógono de forma a evitar a todo custo um contato mais direto e contundente de Anders, que também pouco arriscava. A luta chegou ao último round muito provavelmente em um empate, e os árbitros viram mais vontade de Lyoto, que saiu vencedor.

Para Lyoto, vencer foi um alívio. Nas últimas 8 lutas, Machida havia perdido 5 e ganhado apenas 3. Três dessas derrotas haviam sido consecutivas, então vencer Anders era uma questão de sobrevivência na organização. A própria música de entrada escolhida por ele (Cheguei da cantora Ludmilla) refletia isso. Ainda no octógono, Machida manifestou interesse de lutar com Michael Bisping.

“Foi uma luta dura, mas acho que eu a controlei, encaixei mais golpes. Ele manteve a pressão, mas eu acho que é o caso de quem encaixa mais golpes. Sempre há dúvida sobre o resultado quando a luta vai para decisão, você nunca sabe como os juízes vão analisar a luta. Sobre o Michael Bisping, é uma luta que já deveria ter acontecido, acho que ambos amadurecemos junto nesse esporte e uma luta entre nós faz sentido. Eu não quero estar nesse esporte apenas para participar, eu quero estar nesse esporte para vencer.”

 

Lyoto Machida.

Valentina Shevchenko (vencedora) vs. Priscila Cachoeira
Categoria: Womans Flyweight 116 lb (Peso mosca feminino 57kg)
Resultado: Finalização (mata-leão)
Tempo: 4min25 do Segundo Round
Juiz: Mario Yamasaki
Árbitros: Guilherme Bravo, Marco Rosales, Joseph Terrel
Músicas: ?? (Shevchenko) / ?? (Cachoeira)
Patrocínio Reebok: Shevchenko (TBA) / Cachoeira (TBA)
Suspensão Médica: Shevchenko (TBA) / Cachoeira (TBA)

Valentina Shevchenko atropelou sua rival, a brasileira Priscila “Pedrita” Cachoeira, vencendo-a logo no segundo Round por finalização. Logo no começo da luta, Shevchenko aplicou bons socos que acertaram em cheio a brasileira. Nitidamente atordoada, Cachoeira acabou caindo e ficou por baixo, com Shevchenko em posição de crucifixo invertido. A partir daí foi um banho de sangue, com vários golpes sendo desferidos no rosto da brasileira. No segundo round o mesmo ocorreu. Depois de tanto bater, Shevchenko encontrou espaço para uma finalização.

Foi um verdadeiro passeio de Shevchenko que mostrou que está mais do que pronta para uma eventual disputa de cinturão. A decisão de Mario Yamasaki em não encerrar a luta rapidamente, quando Shevchenko impunha bastante danos à Cachoeira, deixou Dana White enfurecido. “Mario Yamasaki não deveria pisar o pé no octógono jamais”. Nas arquibancadas, a própria torcida, que tende a preferir que o juíz não encerre as luta rapidamente, pedia por uma interrupção.

Logo após a luta, Dana White não polpou duras criticas à Yamasaki:

Priscilla Cachoeira, você mostrou muito coração e bravura na luta. Estou honrado de você lutar no UFC. Infelismente o arbitro está lá para te proteger e ele não fez isso. Esta não é sua primeira performance lamentável no octógono. Outra infelicidade é que é que eu não posso fazer nada a respeito, apenas a comissão brasileira pode e eu espero que após essa horenda e incopetente apresentação ele nunca mais colocará os pés no octógono de novo. Foram 230 golpes desferidos contra 3 (de Cachoeira).

 

Dana White

“Eu estava preparada para tornar a luta fácil porque sei que não existe luta fácil, você precisa treinar muito para tornar uma luta fácil. Eu acho que a coisa mais legal sobre a minha performance no peso-mosca é que eu continuo forte como era no peso-galo, mas duas vezes mais rápida. Desde o começo eu disse que não me importava que a Priscila fosse uma novata, eu lutarei com qualquer pessoa e às vezes essa pessoa pode ser novata. Priscila tem todo um futuro na frente dela. Eu agora espero poder lutar pelo cinturão.”

 

Valentina Shevchenko

Michel Prazeres (vencedor) vs. Desmond Green
Categoria: Catchweight 161 lb (Peso casado 52kg)
Resultado: Decisão unânime (30-27, 29-28, 29-28)
Tempo: Terceiro Round completo
Juiz: Mark Goddard
Árbitros: Guilherme Bravo, Phillipe Iorio, Tony Weeks
Músicas: ?? (Prazeres) / ?? (Green)
Patrocínio Reebok: Prazeres (TBA) / Green (TBA)
Suspensão Médica: Prazeres (TBA) / Green (TBA)

Em uma luta eletrizante, Michel Prazeres e Desmond Green chegaram ao último round com o resultado praticamente empatado. Venceu que mostrou maior vontade durante a luta, Michel Prazeres, que levou por decisão unânime dos árbitros (30-27, 29-28, 29-28).

A luta foi polêmica. Prazeres não conseguiu bater o peso no dia da pesagem (a quarta vez consecutiva que isso acontece) e a luta esteve próxima de ser cancelada. A confirmação da luta ocorreu horas antes do evento. O time de Prazeres alegou problemas com a àgua do hotel para o lutador fazer a sauna para perder peso.

“Foi uma luta dura. Eu estava um pouco abatido por conta de tudo o que aconteceu, não estava tão inspirado. Foi uma semana conturbada, até antes da luta. Eu estava preocupado com tudo e não queria deixar de dar um show para o público do Pará.”

 

Michel Prazeres

Timothy Johnson (vencedor) vs. Marcelo Golm
Categoria: Heavyweight 265 lb (Peso pesado 120kg)
Resultado: Decisão unânime (30-27, 29-28, 29-28)
Tempo: Quinto Round completo
Juiz: Osiris Maia
Árbitros: Phillipe Iorio, Marco Rosales, Joseph Terrell
Músicas: Money For Nothing (Johnson) / Its So Deep – NIS (Golm)
Patrocínio Reebok: Johnson (TBA) / Golm (TBA)
Suspensão Médica: Johnson (TBA) / Golm (TBA)

Na luta menos empolgante da noite, Marlo Gol e Timothy Johnson levaram a luta para o confronto para a decisão dos árbitros. No geral, foi uma luta fraca, onde ambos os lutadores mostraram pouca disposição para entregar uma boa luta para os fãs. Ao final, vitória de Timothy Johnson por decisão unânime (30-27, 29-28, 29-28) dos arbitros.

“Eu queria ter sido um lutador mais empolgante, mas posso garantir que eu e Marcelo nos esforçamos muito ali dentro. Eu lutei de forma segura, não poderia correr o risco de perder duas seguidas. Ele me balançou algumas vezes, eu o balancei algumas vezes. O Marcelo será um grande oponente dentro da divisão dos pesados, ele ainda é um garoto. Eu espero acompanhar sua carreira no futuro.”

 

Tim Johnson

Thiago Santos (vencedor) vs. Anthony Smith
Categoria: Midleweight 185 lb (Peso médio 84kg)
Resultado: Nocaute técnico
Tempo: 1min23 do Segundo Round
Juiz: Mark Goddard
Árbitros: Marco Rosales, Tony Weels, Joseph Terrell
Músicas: ?? (Marreta) / Energy – Drake (Smith)
Patrocínio Reebok: Marreta (TBA) / Smith (TBA)
Suspensão Médica: Marreta (TBA) / Smith (TBA)

Depois de um primeiro round eletrizante, Thiago Marreta desceu, literalmente, a marreta sobre Anthony Smith. Com um poderoso soco no corpo de Smith e depois uma sequência de golpes, Marreta conseguiu a vitória no segundo round por TKO. Na entrevista ainda no octógono, Marreta pediu nomes de mais expressão para os próximos combates. A torcida, lógico, foi ao delírio com o comentário.

“Foi uma guerra, eu sabia que ele era um cara muito resistente, duro, não esperava nada diferente. Mas eu falei que ia machucar ele até ele nao aguentar mais, entao eu fui lá e fiz. É minha quarta vitoria consecutiva com nocaute, eu sou um dos maiores nocauteadores da minha categora. Eu mereço uma oportunidade. Tive uma com o Mousasi, mas com pouco tempo de preparação. Quero um bom nome e que eu possa me preparar para ele. Gostaria de um dos Top 6: Whitaker, Rockhold, Weidman, aceito qualquer um desses.”

 

Thiago Santos, o “Marreta”

Douglas Silva de Andrade (vencedor) vs. Marlon Vera
Categoria: Bantamweight 135 lb (Peso médio 61kg)
Resultado: Decisão unânime (30-27, 30-27, 30-27)
Tempo: Quinto Round completo
Juiz: Camila Albuquerque
Árbitros: Guilherme Bravo, Tony Weeks, Joseph Terrell
Músicas: Impossivel – Jamily (D’Silva) / ?? (Vera)
Patrocínio Reebok: D’Silva (TBA) / Vera (TBA)
Suspensão Médica: D’Silva (TBA) / Vera (TBA)

Luta empolgante, round após round Douglas Silva de Andrade foi ganhando confiança e mostrando superioridade na luta. Os juizes deram vitória unânime para o brasileiro (30-27, 30-27, 30-27).

“Foi uma guerra, mas uma guerra que eu venci. Eu tinha que manter a distância e esperar os golpes dele para contra-atacar. Mas consegui manter a estratégia que montei com meu time e saí com a vitória. Não tenho palavras para falar da emoção de lutar em casa e vencer em casa. Torna tudo maior e mais especial.”

 

Douglas Silva

Artigos

UFC on FOX 27: TKO de Jacaré; a primeira vitória de um brasileiro em 2018!


DUmMl2mUMAEtnfP

O primeiro UFC on FOX do ano começa do mesmo jeito que se encerrou o ano de 2017, ainda sem uma definição a respeito de seu futuro. O contrato televisivo de 7 anos entre FOX e o UFC se encerra no final deste ano e até agora a organização ainda não chegou a um concensso se mantém ou não seu contrato de exclusividade com a rede de Rupert Murdoch. Esperava-se que, pelo menos, uma negociação verbal selasse o destino do UFC on FOX ainda no mês de dezembro, mas não ouve nenhuma definição.

A parceria entre UFC e a rede FOX teve inicio em 2011 quando o UFC encerrou seu contrato com o Spike TV, dando origem ao UFC on FOX. Desde então, todos os eventos (Fight Night, UFC on FOX, UFC on FX, UFC on Fuel TV e o TUF), com excessão dos numerados (transmitidos via Pay-per-View) são televisionados em canais da FOX nos Estados Unidos: Fuel TV, FOX, FX, FOX Sports 1 & 2. Apenas em 2018, o UFC espera receber algo em torno de 160 milhões de dólares da FOX.

Apesar de trazerem um retorno financeiro inferior aos eventos numerados, exibidos apenas em PPV, os eventos televisionados garantem uma receita praticamente recorrente à organização, sem contar a capilaridade que esse tipo de evento trás à organização. Hoje, os dois principais contratos televisivos do UFC são: FOX (Estados Unidos) e Globosat (Brasil com o Canal Combate).

Indo para o evento em sí, embora o card do UFC on FOX tenha deixado a desejar em termos de nomes no card principal, houveram boas lutas. Jacaré voltou aos octótognos com o pé direito, com uma vitória contundente sobre Brunson. Gregor Gillespie também deu uma aula de jogo de chão ao vencer Jordan Rinaldi, tido por muitos como favorito.

Jacare Souza (vencedor; TKO; primeiro round) vs. Derek Brunson II

Pondo fim a uma sequência de derrotas inacreditáveis dos lutadores brasileiros em 2018, Jacaré Souza desferiou poderosos golpes (um chute alto e diversos socos no rosto) sobre Derek Brunson ganhando a luta por TKO logo no primeiro round. Foi um “statemment” do brasileiro, que vinha de um longo período parado por lesão e pos fim a uma sequência de boas vitórias de Brunson.

Essa foi a segunda vitória de Jacaré sobre Brunson. Ambos lutaram no Strikeforce em 2012, quando Jacaré KO derrotou Brunson logo no primeiro round.

Dennis Bermudez vs. Andre Fili (vencedor; decisão dividia)

Em luta de resultado polêmico, Andre Fili venceu Dennis Bermudez por decisão dos árbitros (29-28, 27-30, 29-28). Apesar de ter desferido mais golpes, com mais contundência e maior tempo de dominio na luta Bermudez não conseguiu convencer os árbitros e acumulou a quinta derrota em 7 lutas.

Jordan Rinaldi vs. Gregor Gillespie (vencedor; TKO; 1 Round)

Gregor Gillespie provou suas credenciais e deu uma verdadeira aula de jogo de chão para Rinaldi e os telespectadores vencendo por TKO ainda no primeiro round. Gillespie tem um futuro promissor na divisão dos leves. Com 11 lutas e 11 vitórias (3-0 no UFC), Gillespie desde cedo vem chamando atenção dos fãs e adversários. Logo no primeiro ano de faculdade (Edinboro University), Gillespie sagrou-se “All-American”. Ao todo foram 4 vezes All American pela divisão I da NCAA e campeão nacional em 2007. Com certeza veremos seu nome no topo da divisão muito em breve!

Drew Dober (vencedor; decisão unânime) vs. Frank Camacho

Dober e Camacho fizeram uma ótima abertura de card principal. Com uma luta movimentada e bem disputada, Dober conseguiu levar a luta por pontos. Pelas regras novas da organização, as quedas por sí só não representam pontuação significativa. Por isso, apesar de ter sofrido três quedas, Dober levou o combate ao mostrar superioridade no seu jogo em pé, desferindo mais golpes significativos. Os árbitros deram vitória unânime para Dober (29-28, 29-28 e 30-27).

 

Torne-se um colaborador do Pós-Luta, ajude-nos a crescer e tenha seu nome no site. Conheça os benefícios de ser um colaborador. APOIA.SE!